Revista Pensando Famílias

“Pensando Famílias” é uma publicação regular do DOMUS – Centro de Terapia de Casal e Família visando a divulgação de artigos inéditos referentes às áreas de casal e família. As modalidades dos trabalhos aceitos incluem artigos teóricos, relatos de pesquisa e casos clínicos, artigos de revisão e/ou atualização bibliográfica, resenhas e outros que serão submetidos para avaliação da Comissão Editorial, Conselho Editorial e Consultores ad hoc.

Textos, posicionamentos teóricos e ideológicos, contidos nos trabalhos propostos, são, unicamente, de responsabilidade do autor.

Comissão Editorial
  • Psic. Helena Centeno Hintz (Editora)
  • Psic. Andréa Philbert Alves
  • Psic. Beatriz Schmidt
  • Psic. Bruna Germano Cirelli
  • Psic. Cristina Fiad Aragonez
  • Psic. Edna de Oliveira Corral
  • Psic. Elisabete Beatriz Maldaner
  • Psic. Fabiana Verza
  • Psic. Letícia R. Pinto Kruel
  • Psic. Letícia L. Dellazzana-Zanon
  • Psic. Marlei Rigo Bonissoni
  • Psic. Melina C. Trindade
  • Psic. Paula C. Hintz Baginski
  • As. Soc. Silvia Chwartzmann Halpern
  • Psic. Virgínia Wassermann
Consultores ad hoc
  • Amanda Shöffel Sehn – Programa de Pós-Graduação da UFRGS – Núcleo de Infância e Família (NUDIF/GIDEP) – RS
  • Alexandre Coimbra Cabral – Instituto Humanitas – Salvador – BA
  • Daniela Centenaro Levandowski – Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre – UFCSPA – RS
  • Daniela Reis e Silva – Associação de Terapia Familiar do Espírito Santo – ATEFES – ES
  • Denise Falcke – Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS, RS
  • Elisa Kern de Castro – Programa de Pós-Graduação em Psicologia – Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS, RS
  • Fabiane Schutz – Programa de Pós-Graduação em Psicologia – UFRGS – RS
  • Guilherme Flack – Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS – RS
  • Isabela Machado da Silva – Universidade de Brasília – UnB – DF
  • Joana d’Arc Cardoso dos Santos – Universidade Paulista, campus de Brasília – UNIP – DF
  • Juliana Predebon – Universidade Luterana do Brasil – ULBRA – Guaíba, RS
  • Juliana Sanvicente – Accademia di Psicoterapia dela Famiglia – Roma, Itália
  • Laíssa Eschiletti Prati – Colorado State University – USA
  • Mara Lúcia Rossato – Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS – RS
  • Maria Inês G. Santos Rosa – R3-Consultoria Social e Empresarial – RS
  • Maria Isabel Wendling – Faculdades Integradas de Taquara – FACCAT – RS
  • Mariana G. Boeckel – Universidade Federal de Ciências da Saúde – UFCSPA – RS
  • Naiana Dapieve Patias – Núcleo de Estudos e Pesquisas em Adolescência (NEPA/UFRGS) – RS
  • Silvia Fontes – Associação de Terapia Familiar do Espírito Santo – ATEFES – ES
  • Thiago de Almeida – Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo – USP – SP
Conselho Editorial e Científico Nacional
  • Ada Pellegrini Lemos – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – NUPEF/PUCSP – SP
  • Claudia Deitos Giongo – Universidade Luterana do Brasil – ULBRA, Porto Alegre, RS
  • Ieda Zamel Dorfman – Clínica de Atendimento Psicológico – RS
  • Helena Maffei Cruz – Instituto FAMILIAE, São Paulo, SP
  • Iara Camaratta Anton – Sociedade de Psicologia do RGS; Porto Alegre, RS
  • Laurice Levy – Instituto DELPHOS/INTEGRARE, Rio de Janeiro, RJ
  • Maria Beatriz Coutinho – Fundação Dom Cabral, Belo Horizonte, MG
  • Maria Rita Seixas – Universidade Federal Estado de São Paulo – UNIFESP, São Paulo, SP
  • Marli Kath Sattler – DOMUS – Centro de Terapia de Casal e Família, Porto Alegre, RS
  • Nina Vasconcelos Magalhães – Faculdade Ruy Barbosa (FRB – Salvador – BA); Instituto Humanitas – BA
  • Nira Lopes Acquaviva – DOMUS – Centro de Terapia de Casal e Família, Porto Alegre, RS
  • Silvia Koller – Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, Porto Alegre, RS
Conselho Editorial e Científico Internacional
  • Carlos E. Sluzki – George Mason University, Fairfax-Arlington, Virginia, USA
  • Dora Fried Schnitman – Fundación Interfas, Universidad de Buenos Aires; Buenos Aires, Argentina
  • Edith Tilmans-Ostyn – Université Catholique de Louvain; SSM Chapelle-aux-Champs, Bruxelas, Bélgica
  • Jorge De Vega – Hospital Universitário de Gran Canaria Doctor Negrín, Ilhas Canárias
  • José Antonio Ríos Gonzáles – Universidad Cumplutense de Madrid; Centro STIRPE, Madrid, Espanha
  • Juan Luis Linares – Universidad Autónoma de Barcelona – Barcelona – Espanha
  • Judith Landau – Columbia University, New York; Linking Human Systems, Colorado, USA
  • Marília Baker – Phoenix Institute of Ericksonian Therapy, Arizona, USA
  • Pietro Barbetta – Università Degli Studi di Bergamo, Bergamo, Itália
  • Raúl Medina Centeno – Universidade de Guadalajara, Guadalajara, México
  • Roberto Pereira Tercero – Escuela Vasco-Navarra de Terapia Familiar, Bilbao, Espanha
  • Ruth Casabianca – Universidad Católica de Santa Fé, Santa Fé, Argentina
  • Saul I. Fuks – Universidad Nacional de Rosario, Rosario, Argentina
  • Silvia E. Vecchi – Fundación Libra, Fundación Interfas, Buenos Aires, Argentina
  • Vincenzo Di Nicola – Universidade McGill, Montreal, Canadá

Resumo: Este artigo convida a uma reflexão sobre novas possibilidades de atuação geradas pelo pensamento sistêmico para terapeutas familiares: desdobramentos em ações comunitárias fundadas em uma epistemologia novo-paradigmática ou pós-moderna, que poderia situá-los como parte dos chamados “novos movimentos sociais”. Descreve as ampliações decorrentes desse pensamento na psicologia: estudar, cuidar ou legislar sobre a família é intervir no tecido social, e vice-versa. Tais práticas, têm como denominador comum uma visão de ciência, onde esta é compreendida como socialmente construída, implicando em relações de poder e inclusão-exclusão. A autora aponta como tarefa atual da ciência social, gerar práticas que promovam, para toda a população, a compreensão e conseqüentemente a apropriação do saber científico religando-o aos saberes do senso comum. Sob esse enfoque, terapeutas têm a responsabilidade de buscar respostas éticas nas histórias de dor, o que lhes confere uma nova identidade: “barômetros de dor na sociedade”, cuja ação é também uma atuação política.

Abstract: This article invites to a reflection about new possibilities of action brought by systemic thinking to family therapists: the opening to community work based on a new epistemology named new paradigm or pos-modern epistemology. This can lead to actions typical of “new social movements”. It describes the introduction of sistemic thinking to the field of psychology as giving birth of a common ground to family and community work. Studying, caring or legislating about families means intervening in the social tissue, and vice-versa. These actions, have the common ground of a new paradigm that understands science as a social construction with its power and inclusion-exclusion relationships. The author points to new tasks for social scientists: to create actions that promote to the whole population, understanding and therefore appropriation of scientific knowledge and articulation with common sense knowledge. By this viewpoint, therapists have the responsibility of seeking ethical responses to pain stories, by this way achieving a new identity: “society pain barometers” whose actions are political actions too.

Helena Maffei Cruz

Resumo: Neste trabalho são oferecidas as conclusões preliminares de uma pesquisa realizada para indagar o impacto que teve a crise ocorrida em 2001 sobre certos setores da população. Baseando-se nos conceitos de estresse, trauma e resiliência, indaga-se sobre quais foram os eventos percebidos como mais desestabilizadores, e sobre os comportamentos adaptativos descritos como mais freqüentes e eficazes. Os dados parecem apoiar conclusões de investigações prévias – realizadas em outros contextos – sobre as características pessoais e os modos de ação interpessoal mais eficazes para enfrentar infortúnios duradouros.

Abstract: This paper presents preliminary conclusions about the investigation designed to inquire into the impact of a crisis occurred in certain sectors of the population, in 2001. Based on the concepts of stress, trauma, and resilience, the study asked which were the most disestablished perceived events, and which were the most frequent and effective adaptative behaviors. The data supports previous investigations developed in other settings, about individual characteristics, and most effective personal atitudes to face long lasting misfortune.

Ruth Casabianca, Hugo Hirsh

Resumo: Entendemos o ciúme como uma emoção que expressa desagrado, sofrimento e dor. A percepção do ciúme como controle obsessivo que se manifesta frente ao medo de perder o outro, junto com sentimentos de insegurança, baixa auto-estima são relevantes para a compreensão da dinâmica conjugal e seu processo terapêutico. O ciúme e suas manifestações são descritos dentro de uma perspectiva sistêmica, interrelacional. São discutidos alguns aspectos importantes na avaliação do ciúme como elemento que interfere na relação do casal e apontadas algumas intervenções possíveis no tratamento do sistema conjugal.

Abstract: We understand jealousy as an emotion that express unpleasantness, suffering and pain. The jealousy perception as an obsessive control can manifest itself as a defense of fearing the other loss, with feeling of insecurity, low self-esteem are of relevance to the comphreension of the couple dinamic and its therapeutic process. Jealousy and its manifestations are described within a systemic and interrelational approach. Important aspects are discussed in the jealousy evaluation as an element that greatly interferes in the couple relationship. Some possible interventions are pointed out in the couple system treatment.

Helena Centeno Hintz

Resumo: O presente artigo procura articular conhecimentos sobre a dinâmica de famílias empresárias com a prática em Terapia Sistêmica. Através de reflexões a partir de oito casos atendidos em diferentes modalidades terapêuticas a autora procura indicar caminhos que podem ampliar a eficácia terapêutica ao proporcionarem o contato com áreas mais saudáveis do cliente, no contexto empresarial.

Abstract: This article tries to connect knowledge about entrepreneur family dynamics with Systemic Therapy. Reflecting about eight cases, that attend different therapeutics approaches, the author tries to show different ways to enlarge the therapeutic effects through the contact with more healthy areas in person’s life, including the business context.

Laíssa Eschiletti Prati

Resumo: O presente trabalho objetiva resgatar as principais idéias acerca da problemática da falha da função paterna como uma das possíveis causas desencadeadoras da delinqüência familiar, seja esta a maior contravenção, maus-tratos, ou até o crime mais cruel. Percorreremos um caminho que identifique algumas facetas da função paterna, muitas vezes marcada na história por ocupar um lugar de coadjuvante no desenvolvimento psíquico do indivíduo.

Abstract: The present article aims at redeeming the principal ideas on paternal function failure problematic as a possible trigger off a familiar delinquence, even being since the simplest contravention, ill-treatments or worse those violences concerning merciless crimes. We will go through a crucial way where can be identified a great number of prisms on paternal function, many times they are marked in history for occupieng a place of coadjuvant in the psychic individual development.

Auro de Almeida; Cristiane dos S. Schleiniger; Gabriela S. Bichinho Anton; Laura Suzana Sacchet; Letícia Hoffmann Kunrath; Mirian Fontoura Moreira; Paula C. Hintz Baginski;Rachel Gick Fan

Resumo: A Obesidade Mórbida é vista recentemente como um dos problemas de saúde pública que mais vem aumentando na população mundial. O número de crianças e adultos obesos na última década vem se acentuando. Por ser considerada uma doença crônica, a obesidade mórbida vem chamando a atenção de muitos profissionais de saúde mental, já que existe toda uma estratégia de atendimento multidisciplinar para reverter à situação do obeso. Pretendemos neste artigo discutir sobre alguns aspectos psicológicos presentes nesta doença, fruto de nosso trabalho (avaliação e acompanhamento pré e pós-cirúrgico) feito com o CITOM – Centro Integrado do Tratamento da Obesidade Mórbida do Hospital Divina Providência de Porto Alegre.

Abstract: The Morbid Obesity is recently one of the biggest problems of public health around the world. The number of kids and adults obsess in the last decade have been growing. It has been considered a chronicle disease and, because of this, the morbid obesity is calling attention of many professionals of mental health which study a strategy for revert the obese situation. We intend in this article discuss about some psychologists aspects that appears in this disease, generated of our work (pre and pos-surgery evaluation and accompaniment), done with the Center Integrated of Treatment of Morbid Obesity (CITOM) at Divina Providência Hospital, in Porto Alegre.

Ana Lúcia Marques Carvalho da Silva; Elisara Costa

Resumo: Esta investigação exploratória problematiza a intervenção profissional dos terapeutas familiares, quanto a inclusão das Redes Sociais nos processos terapêuticos. A implicação do pesquisador e a construção de uma rede de interlocutores foram os procedimentos metodológicos que guiaram o processo de investigação. A experiência do pesquisador, os contatos com pessoas de referência da área e as instâncias de interlocução produzidas, nas entrevistas efetuadas, constituíram as fontes de dados da investigação. Os resultados obtidos podem ser divididos em 4 aspectos: mostram uma indefinição teórica da intervenção na perspectiva de Rede Social, o que desencadeia distorções teórico práticas; evidenciam que a inclusão da Rede Social na Terapia Familiar é resposta a uma dificuldade do terapeuta, que se vale de pessoas que lhe são significativas para ajudar no entendimento e atendimento do problema; assinalam que a inclusão da Rede Social tem o propósito restrito de resolver o problema que levou a família a buscar ajuda terapêutica, contrariando os pressupostos da perspectiva Rede Social, que direcionam a intervenção para o (r)estabelecimento de vínculos e potencialização de recursos dos envolvidos.

Abstract: This exploratory survey approaches the problem of the professional intervention of family therapists, as to the inclusion of Social Networks in the therapeutic processes. The implication of the researcher and the building up of a network of interlocutors were the methodological procedures that have guided the investigatory process. The researcher’s experience, contacts with reference people in the area, and the interlocutory cases produced in the interviews carried out, have constituted the sources of investigation data. The results achieved may be divided into 4 aspects: they show a theoretical indefinition of the intervention in the Social Network approach, what gives rise to theoretical-practical distortions; they reveal that the inclusion of the Social Network in the Family Therapy is an answer to a problem with the therapist, who avails himself of people that are significant to him for helping to understand and solve the problems; they point out that the inclusion of the Social Network has the strict purpose of solving the problem that made the family search a therapeutic help, contradicting the presuppositions of the Social Network approach, which direct the intervention toward the (re)establishing of connections and boosting of resources of the people involved.

Claudia Deitos Giongo

Resumo: Objetivando analisar os mitos e crenças que irrompem a relação famílias – creche e conseqüências na educação e cuidado de bebês, este trabalho parte do pressuposto histórico-cultural, referenciado no pensamento de Vygotsky, e da teoria ecológica de Bronfenbrenner. Foram feitas entrevistas nas casas das famílias de seis bebês, sujeitos de minha dissertação de mestrado, que passam oito horas do seu dia em uma creche pública conveniada à rede municipal de Florianópolis. Os resultados demonstram que a estruturação da rotina do berçário, das ações da professora e da auxiliar, pautam-se, em grande parte, nos mitos e nas crenças que ambas têm das famílias e de como estas cuidam de suas crianças. Como a creche não conhece as famílias e suas ações, não pode trabalhar de forma complementar, conforme o artigo 29 da LDB de 1996. Por outro lado, as famílias não conhecem as ações da creche e não assumem seu papel na mesma.

Abstract: Based on the presuppositions of the historical-cultural psychology, referred on the thought of Vygotsky, as well as the ecological theory of Bronfenbrenner, the objective of this work was to analyze the myths and beliefs that appear in the relation families – creche and its consequences to the education and care of babies. Interviews with the families of the six babies studied in my master’s thesis were done at their homes. The six babies stay in the creche eight hours per day and the creche is a public institution in Florianópolis. The results demonstrate that the routine of the creche as well as the teacher’s actions are based on the myths and beliefs that the creche has about the families and the way they take care of their children, because the creche does not know the families and so cannot work complementing their actions towards the babies, as it is supposed in the law, article number 29 of the LDB, 1996. On the other hand, the families neither know the creche’s performance nor recognize their role in the creche.

Edla Grisard Caldeira de Andrada

Resumo: Este artigo pretende contar a experiência de um grupo de brasileiros em visita aos Associados de Milão no Centro Milanese di Terapia della Famiglia., na Itália, um dos mais importantes centros de ensino de Terapia de Família no mundo. Esta viagem deu-se em fevereiro de 2003 e teve como objetivo observar e conhecer a prática da Terapia Familiar do Dr. Luigi Boscolo e do Dr. Gianfranco Cecchin em seu próprio ambiente de trabalho.

Abstract: This article intends to report the experience of a Brazilian group visiting the Milan Associates in the Centro Milanese di Terapia della Famiglia, one of the most important teaching centers of Family Therapy in the world, located in Italy. This trip happened in February 2003 and had the goal of observing and studying Dr. Luigi Boscolo’s and Dr. Gianfranco Cecchin’s family therapy practice in their own work environment.

Nira Lopes Acquaviva, Alessandra de Matas Soares, Ana Paula Kolling Belmonte

 

Clique aqui para o texto completo

 
 
close-link