Revista Pensando Famílias

“Pensando Famílias” é uma publicação regular do DOMUS – Centro de Terapia de Casal e Família visando a divulgação de artigos inéditos referentes às áreas de casal e família. As modalidades dos trabalhos aceitos incluem artigos teóricos, relatos de pesquisa e casos clínicos, artigos de revisão e/ou atualização bibliográfica, resenhas e outros que serão submetidos para avaliação da Comissão Editorial, Conselho Editorial e Consultores ad hoc.

Textos, posicionamentos teóricos e ideológicos, contidos nos trabalhos propostos, são, unicamente, de responsabilidade do autor.

Em agosto próximo, Judith Landau estará em Porto Alegre trazendo seu conhecimento e prática profissionais no atendimento de famílias. Em seu trabalho, lida com a capacidade das famílias e comunidades em desenvolver resiliência nas mais adversas situações, tais como, situações de trauma e perda. Judith acredita que favorecer acesso à resiliência da comunidade é a forma mais eficaz de intervenção na recuperação de indivíduos e famílias.

Trabalha com as famílias para que façam uma escolha sobre o que resgatar de seu passado para utilizar no futuro e o que descartar, possibilitando-lhes, assim, um olhar para frente em busca de sua recuperação.

Judith nos brinda aqui com parte de sua história infantil, ocorrida na África do Sul. Relata como a doença que sofreu aos três anos influenciou várias de suas escolhas futuras. Ela viveu momentos de muito sofrimento, pânico e medo. Conviveu com sussurros e segredos e com a intranqüilidade e culpa dos pais com respeito a ela. Foi relembrando esses fatos que Judith descobriu muitas coisas sobre a maneira que optou por trabalhar, referindo que a partir daquelas experiências infantis, ela estruturou os princípios e filosofia básicos de sua terapia.

Pauline Boss traz suas reflexões sobre perda ambígua após quatro anos, aproximadamente, de suas experiências vividas com as famílias que tiveram perdas no atentado de 11 de Setembro, em Nova Iorque. Conta com muita sensibilidade os sentimentos que afloraram através do atendimento a essas famílias e apresenta o trabalho desenvolvido com elas.

Situações traumáticas, sem dúvida, causam danos físicos, psíquicos e funcionais. Silvia Halpern et al. relatam o estudo e pesquisa sobre Transtorno de Estresse Pós-Traumático gerado por violência sexual em uma amostra de 12 famílias. Os autores comentam algumas idéias sugeridas pelos dados preliminares levantados, tais como a existência de poucos recursos da rede familiar e comunitária e que seus familiares mostram-se muito resistentes em lidar com o problema devido ao estigma gerado pela violência sexual.

Helena C. Hintz escreve sobre o jogo conjugal onde os mais variados sentimentos opõem-se, entre eles, o amor e o ódio. A autora reflete sobre o que ocorre com determinados casais que, com a convivência, passam de um estado de amor para um processo de destruição mútua, de forma bastante agressiva. Não há espaço para compreensão e comunicação adequadas, e a realidade, freqüentemente, é percebida de forma distorcida, ocasionando a uma dor psíquica intensa.

Andrés Colombino discorre sobre fantasia sexual na perspectiva da sexologia clínica. Afirma que sem aquela, o desejo sexual poderá ter uma baixa manifestação ou mesmo inexistir. Ele fala sobre a origem, manifestações, ausência, funções, tipos de fantasias sexuais trazendo-nos a possibilidade de melhor explorar a criatividade no plano das fantasias sem negar a realidade.

Edith Tilmans-Ostyn refere que sempre deu muita importância em ouvir as crianças. Estas possibilitam utilizar mais sua própria intuição e criatividade. A autora traz, neste texto, a idéia de como utilizar a intuição de crianças pequenas em melhores possibilidades de evolução para a família e para o terapeuta. Ela nos brinda com muitos exemplos esclarecedores e, no final, escreve sobre consultoria a pediatras.

Abuso sexual sempre é um tema de relevante por causar tantos sofrimentos. A autora, Gabriela B. Anton, discorre sobre este tema apontando a relação entre o segredo e os mitos sociais, mostrando de que maneira o segredo pode se instalar e porque acontece a dificuldade de revelar o abuso sexual intrafamiliar. Analisa os mitos sociais referentes ao abuso sexual e como eles contribuem para a manutenção do segredo.

Carlos T. Grzybowski apresenta uma pesquisa realizada com 46 famílias de várias partes do Brasil sobre o uso de drogas por adolescentes e a relação com o conflito conjugal. O autor refere que, entre os muitos fatores que se tem pesquisado, a influência do relacionamento familiar é um dos mais mencionados. A presente pesquisa destaca este fator, trazendo uma discussão interessante sobre os dados levantados.

Andréa J. Foresti descreve as ações que tiveram o objetivo de romper com o ciclo da violência contra as crianças através de acompanhamentos sócio-familiares efetuado pelo Serviço Social no Programa de Proteção à Criança do Hospital de Clínicas de Porto Alegre. A sistematização desses acompanhamentos resultou no circuito de intervenção em rede, definindo um possível caminho metodológico de enfrentamento ao fenômeno.

Esperamos que as experiências de nossos colegas propiciem contribuições proveitosas para a prática clínica.

Helena Centeno Hintz

Resumo
O presente trabalho procurou relacionar o uso de drogas em adolescentes com o nível de conflito existente entre os pais. No esteio de várias pesquisas realizadas relacionando o uso de drogas e as relações familiares, foi proposta uma avaliação do efeito do relacionamento entre o casal e a percepção de como este relacionamento afeta os filhos adolescentes, no que diz respeito ao uso de drogas. Os dados coletados foram tratados estatisticamente e analisados qualitativamente. Confirmou-se a hipótese de que o nível de conflito entre casais cujos filhos são usuários de drogas é maior quando comparado ao nível de conflito entre casais cujos filhos não são usuários de drogas, podendo indicar que existe uma relação entre o nível de conflito conjugal e o uso de drogas pelo filho adolescente.

Palavras-chave: drogas; conflito conjugal; adolescência.


The Relantionship between Marital Crisis and Adolescents´Drug Abuse: An Exploratory Study

Abstract
The purpose of this research is to bring into relation the use of drugs by teenagers with the existing level of conflict of such age group with their parents. Many researches have been carried out in the past aiming to bring into relation the use of drugs and intra-relationship among family members. This research focusing on to what extent the relationship between wives and husbands and the perception of such relationship does affect the use of drugs on by teenagers. The collected data has been statistically processed and quantitatively analised. The statistical hypothesis which maintains that there is a higher level of conflict among couples whose children are drug users has been confirmed. Such confirmation may indicate that there is a relationship between the couple’s level of conflict and use of drugs by their adolescent children.

Keywords: drugs; conflict among couples; teenagers.

Carlos Tadeu Grzybowski

Resumo
Resumo Este trabalho discute a relação entre o segredo e os mitos sociais no abuso sexual intrafamiliar. São abordadas questões referentes ao contexto em que o abuso ocorre e de que maneira o abusador manipula a vítima, estabelecendo uma situação de segredo. Examina -se o que possibilita o segredo dentro da família e por que a vítima tem dificuldade em revelar o abuso. Também são analisados os mitos sociais que estão presentes no abuso sexual contra crianças e adolescentes e a forma como eles sustentam e são sustentados pelo segredo.

Palavras-chave: abuso sexual; segredo; mitos.


Sexual Abuse: the Context of Secret and the Social Myths

Abstract
This paper talk about the secret and social myths in intrafamiliar sexual abuse. Issues about the context in which the abuse happens and the way the abuser manipulates the vitim, establishing a secret situation. The cause of the secret in the family and why the vitim has dificulties to revelate the abuse are examinated. Also the social myths present in sexual abuse against child and teenagers and the way they sustain and are sustained by the secret are analysed.

Keywords: sexual abuse; secret; myths.

Gabriela Schumann Bichinho Anton

Resumo
O Pequeno Príncipe disse e os adultos entenderam. A expressão não verbal da intuição de crianças pequenas pode ser utilizada, por um lado como mediadora e estimuladora na descoberta de zonas ocultas em sua família, e, por outro, como facilitador para a formação de hipóteses para o terapeuta. Trata-se, portanto, de uma co-evolução em espiral da família e do terapeuta. Como aproveitar melhor a presença de crianças pequenas e melhor mobilizar os recursos do conjunto de seus irmãos, abrindo dessa forma um processo de amadurecimento de todos os membros da família? O acompanhamento freqüente de famílias com filhos pequenos permite-nos desenvolver uma sensibilidade para reconhecer a criança dentro do adulto, restaurar o vínculo transgeracional de nossos clientes, desenvolver o estilo próprio do terapeuta e otimizar a utilização da inteligência emocional deste. Como utilizar a linguagem analógica e o material metafórico para alcançar o sofrimento da criança dentro do adulto!? A partir de exemplos tentaremos responder estas questões. Uma atenção particular será dada às situações de consultas com o pediatra: a consultoria.

Palavras-chave: crianças; consultoria; expressão não verbal; circularidade; formação.

The Little Prince Has Said… and the Grown-ups Have Heard

Abstract
The little prince has said… and the Grown-ups have heard. The non verbal expression of the intuition of the young child may be used on one side as a mediator and a stimulator for the discovery of the zones of shade in his family and, on the other side as a facilitating element for the construction of hypothesis by the therapist. So we encounter a co-evolution in spiral of the family and the therapist. How to benefit from the presence of the young children and to more mobilize the resources of the siblings, and in the meantime give an opportunity for growth and development of all the members of the family? The frequent therapy with families with young children enabled us to look after the recognition of the child within the adult, as well as the effort to restore the clients’ transgenerational bond. It enables also the development of the therapist’s style and the maximizatim of the benefit of his emotional intelligence. How can we use the analogical language and the metaphorical material in order to reach the suffering of the child within the adult? A special attention will be given to the situations of consultation with the pediatrician: the consultancy.

Keywords: children; consultancy; non verbal expression; circularity; training program.

Tradução de Denise Duque

Edith Tilmans-Ostyn (texto completo)

Clique aqui para o texto completo

Resumo
A nova definição de sexualidade da Organização Panamericana de Saúde inclui as fantasia entre as principais manifestações da sexualidade. Fantasias são atividades eróticas, são representações mentais imaginárias que estimulam e/ou acompanham os atos sexuais. A sexologia clínica considera a fantasia sexual como um elemento fundamental, sem o qual o desejo sexual é muito baixo ou inexistente, possibilitando que se instale uma disfunção do desejo. O artigo descreve o percurso que a fantasia traça desde a psicologia, a moral e a bioquímica molecular. Trata das origens e fontes psíquicas das fantasias sexuais, a questão da ausência de fantasias, sua função e tipos principais.

Palavras-chave: sexualidade; fantasias sexuais; desejo sexual.


Sexual Fantasies: the Limit of the Reality

Abstract
The new definition of sexuality of Health Panamerican Organization considers fantasy one of the most important manifestations of sexuality. Fantasies are erotic activities, act throught mental representation that stimulate and/or follow sexual activities. Clinic sexology considers sexual fantasy as a basic element, without which sexual desire is very low or inexistent, making possible to instal a disfunction of the desire. The article describes the passage that the fantasy traces since psychology, moral and molecular biochemist. It deals with the origins and psychic sources of the sexual fantasies, the question of the absence of fantasies, its function and main types.

Keywords: sexuality; sexual fantasies; sexual desire.

Andrés Flores Colombino

Resumo
A autora relata que, em sua experiência clínica, tem deparado com casais especialistas em atormentar-se mutuamente. Há um jogo de palavras, alusões, subentendidos que, se examinados em um contexto imparcial e em situações únicas, não instigam tormentas, mas ao ocorrer com determinadas díades, mostra graus de sofrimento e dor muito fortes. São casais que convivem em um jogo conjugal de agressões mútuas. Não há espaço para a compreensão e carinho, evidenciando-se uma percepção distorcida da realidade e uma comunicação onde um não escuta o outro.

Vivemos em uma sociedade na qual o perigo e as reações agressivas estão exacerbados, onde o ser humano sofre fortes pressões do seu meio ambiente. Por isso torna-se necessário um olhar cuidadoso sobre as manifestações agressivas no relacionamento conjugal. Identificá-las para escolher intervenções terapêuticas adequadas poderá aliviar a dor psíquica desses casais, possibilitando-lhes estabelecer ou refazer vínculos importantes e de qualidade.

Palavras-chave: relacionamento conjugal; agressividade; dor psíquica.


From Loving Manifestations to Aggressive Manifestations in the Conjugal Relationship

Abstract
The author relates that, in her clinic work, she has met couples specialists in worring reciprocally. There are a playing words, alusions, implicitations thwt, if they were analysed in impartial contexts or unique situations they wouldn´t instigate torments, but when they occur to determined diades, they indicate an intense suffering and pain degree.These are couples who usually live in a conjugal play of mutual aggressions. There aren’t room for comphreension and caress, becoming evident a distorted percepcion of reality and a comunication where one don’t listen to the other.

We live in a society where danger and aggressive reactions are constantly exacerbated and the humam creatures suffer from strong stresses from enviroment. It is necessary a careful look on agressive manifestations within the conjugal relation. Identifying the manifestations to choose adequated therapy interventions in order to mitigate the couple psychic pain, it likely will enable them to stablish or reestablish important an qualified bonds.

Keywords: conjugal relatioship; agressivity; psychic pain.

Helena Centeno Hintz

Resumo
Este trabalho descreve o perfil das famílias de 12 pacientes vítimas de estupro atendidos pelo Núcleo de Estudos e Tratamento do Trauma Psíquico (NET-trauma) do Serviço de Psiquiatria do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA). Foram estudadas famílias de pacientes com Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT) através de um protocolo de atendimento padronizado. O TEPT é um transtorno de ansiedade que se desenvolve após exposição a um evento traumático, podendo causar, nos indivíduos, impedimentos para desenvolver atividades diárias, que merecem atenção e tratamento. A família também é profundamente afetada necessitando de intervenção. O NET-trauma surgiu com uma proposta de atendimento de caráter multidisciplinar dirigida a pessoas expostas ao trauma e suas famílias.

Palavras-chave: transtorno de estresse pós-traumático; trauma; estupro; abordagem familiar.

Social Profile of Families of PTSD Patients’: An Exploratory Study

Abstract
This paper describes the family profile of 12 patients that suffered sexual assaults, and received treatment in NET-TRAUMA (Center of studies and treatment of psychological trauma of the Psychiatry Service of Hospital de Clínicas of Porto Alegre). The families studied had patients with PTST (Posttraumatic stress disorder), through a standardized protocol. The PTSD is an anxiety disorder which develops after one being exposed to a traumatic event, which leads to a severe impairment to develop daily base activities. These problems deserve attention and treatment. The family is also deeply affected and need intervention. NET-TRAUMA was developed with the goal to assist, in a multidisciplinary way person victims of trauma and their families.

Keywords: Posttraumatic stress disorder; trauma; rape; family approach.

Silvia C. Halpern, Alessandra de Matas Soares, Letícia Lovato Dellazzana, Marlise Kreischmann, Simone Hauck, Letícia Kruel, Lucia Helena Ceitlin, Sidnei Schestatsky, Walter de Nisa Castro Neto

Silvia Halpern et al. (texto completo)


Clique aqui para o texto completo

Resumo
A teoria da terapia de família sobre a perda ambígua foi submetida a um teste rigoroso na cidade de Nova Iorque depois que terroristas atacaram o World Trade Center em 11 de Setembro de 2001 (ver Boss, 2002 a & b; e Boss, Beaulieu, Wieling, Turner, & LaCruz, 2003, Boss, 2004a). Desde então, através do convite do Comitê Internacional da Cruz Vermelha, essa teoria tem sido testada com as famílias dos desaparecidos em Kosovo depois do conflito étnico do fim dos anos 1990. De uma perspectiva sociológica, quando entes queridos desaparecem, os limites familiares são difíceis de manter, os papéis ficam confusos, tarefas permanecem negligenciadas, casais e famílias ficam imobilizados. De uma perspectiva psicológica, a percepção fica bloqueada pela ambigüidade e falta de informações; decisões têm que ser deixadas de lado; processos de luto e de enfrentar os problemas ficam congelados. Informações sobre perdas ambíguas continuam sendo obtidas em todo o Mundo através de tragédias de terrorismo político, guerra e doença, mas nesse artigo, nós refletimos em novo aprendizado sobre o assunto depois do ataque terrorista de 11 de Setembro.

Palavras-chave: perda ambígua; estresse familiar; resiliência; intervenções.


The Trauma of Ambiguous Loss: Reflections from Working with Families of the Missing After 9/11/01

Abstract
The family therapy theory of ambiguous loss was subjected to a rigorous test in New York City after terrorists attacked the Word Trade Center on September 11, 2001 (See Boss, 2002 a & b; and Boss, Beaulieu, Wieling, Turner, & LaCruz, 2003, Boss, 2004a). Since then, upon invitation from the International Committee of Red Cross (ICRC), the theory of ambiguous loss has been further tested with families of missing in Kosovo after ethnic conflict in the late 1990’s. From a sociological perspective, when loved ones disappear, family boundaries are difficult to maintain, roles are confused, tasks remain undone, and couples and families are immobilized. From a psychological perspective, cognition is blocked by the ambiguity and lack of information; decisions have to be put on hold; and coping and grieving processes are frozen. Knowledge about ambiguous loss continues to be gathered worldwide from tragedies of political terrorism, war, and disease, but in this article, we reflect on new learning about ambiguous loss after the terrorist attacks of September11, 2001 (9/11).

Keywords: ambiguous loss; familiar stress; resilience; interventions.

Pauline Boss

Resumo
Neste capítulo, Judith Landau descreve a magia da África do Sul onde ela viveu sua infância. Seu pai com sua equipe de medicina social construíram um centro de saúde comunitário, onde ela passou muitos de seus dias mais felizes. Ela descreve nítidas lembranças de risadas, corridas, subidas e quedas de cavalos, com seus amigos, as crianças dos trabalhadores da saúde e as crianças das tribos. Ela refere que tinha três anos quando tudo mudou. Ela e as outras crianças foram afetadas pela epidemia de difteria. Muitas delas morreram. Sussurros e segredos substituíram a comunicação aberta que as crianças costumavam ter. Todas as regras mudaram e ela não pôde mais sair nem brincar com seus amigos. Ela relata sua experiência com uma paciente e sua filha infectada com HIV/AIDS, e a necessidade de haver uma comunicação aberta entre os membros da família.

Palavras-chave: memórias; comunicação; terapia de família.


Whispers of Illness: Secrecy Versus Trust

Abstract
In this chapter Judith Landau describes the magic South Africa where she had lived her childhood. Her father with his social medicine team had built a community health center, where she had spent many of her most happies days. She describes her vivid memories of laughter, running and tumbling on and off ponies, with her friends, the children of the health care workers and the children of the tribes. She refers that she was three years old when every thing changed. She and the others children were affected by dipheteria epidemy. Many of them had died. Whrispers and secrets replaced the open communication that the children were use to. All the rules changed and she was not allowed to get up or play with her friends. She relates her experience with a pacient and her child infected with HIV/AIDS, and the need of a open communication between the family members.

Keywords: memories; communication; family therapy.

Judith Landau

Resumo
O texto descreve parte da síntese de estágio profissionalizante em Serviço Social no Programa de Proteção à Criança do Hospital de Clínicas de Porto Alegre. As ações foram norteadas pelo objetivo de romper com o ciclo da violência contra as crianças através de acompanhamentos sócio-familiares. A sistematização desses acompanhamentos resultou no circuito de intervenção em rede, definindo um possível caminho metodológico de enfrentamento ao fenômeno. O caminho mostra efetividade nos resultados quando a abordagem se focalizava nas potencialidades dos usuários e na capacidade de conquistar autonomia e transformação, deles próprios, da pequena realidade que os circunda e da grande realidade que os oprime. A violência infantil como fenômeno multifatorial, por um lado vem se reproduzindo em grande velocidade no Brasil, e por outro demonstra que seu antídoto já esteja sendo historicamente construído em sentido contrário.

Palavras-chave: violência infantil; cidadania; direitos; rede.


Designing a Childhood Citizenship Network: a Challenge in the Professional Practice in the Social Work

Abstract
The article describes part of the synthesis of the Professional training in Social Work in the Child Protection Program, at Clinic Hospital of Porto Alegre. The actions were driven by the objective to stop the cycle of violence against children through familiar follow-up. The systematization of this follow-up resulted in the network intervention, defining a possible methodological way of facing the phenomenon. The methodology shows good results when the professional gives to the person who attends, their potential and capacities to get autonomy, to change the poor reality of their surroundings and the big reality that they suffer. The infantile violence, as a multifactor phenomenon, is growing very fast in Brazil and at the same time, an antidote is historically being built at the opposite side.

Keywords: infantile violence; constitutional rights; network.

Andréa Jaeger Foresti

close-link