Pensando Famílias vol. 11, nº 2

A Pensando Famílias vol. 11, nº 2, traz em seu conteúdo três artigos de autores estrangeiros, Saúl Fuks, Umberta Telfener e Consuelo Casula que escreve sobre a trajetória profissional de Jay Haley.

Os autores nacionais apresentam importantes contribuições como vaginismo, infidelidade heterossexual, transgeracionalidade, construção de mudanças, redes sociais, e uma visão sobre o trabalho de Michael White.

As festas de final ano levam-nos a pensar mais sobre os relacionamentos, especialmente, os relacionamentos conjugais e familiares. Percebe-se em algumas pessoas a alegria por compartilhar com a família e amigos próximos estes momentos significativos. Em outras, sentimos uma sensação de tristeza, isolamento e, inclusive, depressão pela passagem destes dias. A diversidade de situações interpessoais que afloram, mostram a necessidade de reflexões e estudos contínuos sobre o comportamento humano. Convidamos os colegas que nos prestigiam com suas leituras a dividirem suas idéias conosco, a fim de ampliarmos mais nossos conhecimentos na área das relações humanas.

Esta edição da Pensando Famílias apresenta diferentes artigos que se entrelaçam nos temas abordados, tais como relações conjugais e redes sociais.

Iniciando o tema sobre conjugalidade, S. Fuks apresenta um recorte de pesquisa sobre as conversações que os parceiros mantêm quando estão em crise. Focaliza sobre intimidade na relação amorosa em um interjogo com as possibilidades simultâneas de autonomia e proximidade, características típicas da atualidade. O autor questiona o que há de “especial” em algumas conversações conjugais que, mesmo enfrentando uma crise, tendem a promover uma reconstrução da relação.

G. C. L. Luz busca, através de várias hipóteses levantadas, obter uma compreensão dinâmica e sistêmica do vaginismo, dificuldade apresentada por muitas mulheres, trazendo-lhes muito sofrimento na vida sexual e comprometendo, conseqüentemente, a sexualidade do casal. O estudo é ilustrado por um caso clínico. A. C. Amaral comenta o trabalha da autora, enriquecendo com suas idéias pessoais.

Dentro do tema casal, T. de Almeida escreve sobre a infidelidade como um fenômeno muito atuante nas relações conjugais, mas que também acontece freqüentemente nas relações pessoais. Aponta os prejuízos e conseqüências deste sobre os relacionamentos interpessoais.

C. S. Raupp e C. C. Menezes apresentam um estudo sobre as mudanças ocorridas nas relações transgeracionais de uma família. O mesmo vem ilustrado pelo relato de um atendimento clínico a uma família onde a transgeracionalidade estava muito presente.

N. O. Mendes e E. Rasera, através do relato de um caso e da abordagem construcionista social, mostram como a inclusão de um membro familiar no sistema terapêutico oportuniza a ampliação dos entendimentos e o surgimento de aspectos importantes da história familiar. Isto possibilita a criação de conversações generativas, delineando novas narrativas para a vida familiar. Junto a isto, N. O. Mendes levanta uma série de indagações interessantes que procura responder através da construção do sistema terapêutico no caso atendido.

L. A. Gomes e A. S. Magalhães relatam o trabalho psicoterápico de reconstrução de vínculos e conquista de redes sociais de apoio efetuado em famílias de baixa-renda, com a presença de adoecimento infantil.

S. Bagno escreve sobre a formação da identidade e construção das redes sociais do imigrante brasileiro. A autora refere a importância do movimento de imigração sobre a construção da identidade nacional do brasileiro, referindo a si mesma como testemunha desse processo.

U. Telfener, autora italiana, traz suas reflexões sobre a prática com pacientes migrantes. A autora refere a importância da atitude do terapeuta, evidenciando a psicologia clínica como cultural, apontando também a necessidade de um diálogo cultural. O “conhecimento intercultural” é relevante, sendo fundamentado pelo respeito das diferenças existentes nas relações pessoais.

N. V. Guimarães escreve sobre o trabalho de Michael White. Neste estudo, a autora apresenta diversos conceitos e autores de grande influência no pensamento atual, fundamentando os pressupostos epistemológicos da terapia narrativa de M. White.

C. Casula escreve sobre o trabalho e as contribuições de um dos grandes precursores da terapia familiar: Jay Haley, falecido em 13 de fevereiro de 2007.

Desejo uma boa leitura!

Helena Centeno Hintz

A Intimidade nas Relações de Casal
Desafios Para a Criação de Mundos Singulares na Pós-modernidade


Resumo
Este artigo apresenta um recorte dos resultados de uma pesquisa sobre as conversações que os casais mantêm nos momentos críticos de sua relação. Este trabalho focaliza – particularmente – no papel que cabe à intimidade na construção da relação amorosa e suas vicissitudes na posmodernidade. Da mesma forma são considerados os desafios que propõe a busca simultânea de autonomia e proximidade, prototípicos da época atual, que colocam a intimidade no centro das conversações, já que suas possibilidades de reconstrução condicionam as opções que os casais terão no momento de reformular o desenho de sua relação. Também são esboçadas as interseções da intimidade, com os dois núcleos de sentido que conformam o sistema auto-organizado dos significados postos em jogo diante das situações críticas.
Palavras-chave: conversações; relação de casal; intimidade; reconstrução.


Intimacy in Couples´Relationships
Challenges For the Creation of Singular Worlds in Post-modernity

Abstract
This article presents some aspects of the results of a research on the conversations the couples keep at the critical moments of their relationship. It focuses particularly on the role of intimacy in the construction of the loving relation and its contingency in the post modernity. Moreover, the challenges which the concurrent search for autonomy and proximity implies will be considered. Both are typical of the current time and place intimacy in the center of the conversations because the possibilities of reconstruction condition the options that couples will have at the moment of reformulating the design of their relationship. Also, the textures of privacy are sketched, with the two nuclei of sense that tune the auto-organized system of meanings facing critical situations.
Keywords: conversations; couples’ relationships; intimacy; reconstruction.

Saúl I. Fuks

Vaginismo – Quando o casal sobrevive?

Resumo

Este artigo visa estudar o vaginismo e suas implicações, especialmente numa relação amorosa. O caso clínico de uma jovem de 28 anos que nunca teve uma relação sexual com penetração e se mantêm casada há 10 anos fez com que se escrevesse a respeito. É com este relato que se emoldura o presente estudo, procurando encontrar na literatura apresentada explicações que auxiliem, enquanto terapeutas de casal, a se ter uma compreensão dinâmica e sistêmica acerca do tema.
Palavras-chave: vaginismo; disfunção sexual; relacionamento conjugal; sexualidade feminina.


Vaginismus – Does the Couples Survive?

Abstract

The goal of this article is the study of vaginismus and its implications, especially in a love relationship. The clinical study of a 28 year-old young woman who had never had sexual intercourse with penetration and has been married for 10 years, led us to write this article. This report frames the current study, searching in literature explanations to guide couple therapists in achieving a dynamic and systemic comprehension on the subject.
Keywords: vaginismus, sexual dysfunction, marital relationship, female sexuality.

Gisele Corrêa Lovatto Luz

Comentário Sobre “Vaginismo – Quando o Casal Sobrevive Parabenizo, em primeiro lugar, a iniciativa da Comissão Editorial da PENSANDO FAMÍLIAS de construir este tão saudável espaço dialógico. Introduzir uma seção de comentários é convidar o multiperspectivismo à existência soberana, reforçando tudo o que é mais sólido em nossa epistemologia: a negação das noções de verdade e objetividade na relação com o mundo e com o saber. Agradeço o convite para comentar, nesta oportunidade, o artigo: “Vaginismo – Quando o casal sobrevive?”, de Gisele Luz, que em sua conclusão do curso de formação no DOMUS já realiza uma produção científica com precisão teórica e capacidade de síntese, em poucas laudas, de idéias bastante abstratas. Alexandre Coimbra Amaral Clique aqui para o texto completo

Infidelidade Heterossexual e Relacionamentos Amorosos Contemporâneos

Thiago de Almeida

Resumo
O binômio “fidelidade-infidelidade” é atualmente foco de diversas pesquisas teóricas e empíricas. A relevância deste campo de estudos justifica-se porque a infidelidade é um fenômeno que perpassa a vida de muitos casais e famílias implicando prejuízos e sofrimento para eles, e desafios para os terapeutas, que lidam com demandas deste tipo. E, não é necessário estar envolvido em um casamento para se experimentar a infidelidade. Todos os tipos de relacionamento estão sujeitos a sua nefasta influência. Ainda pouco se sabe a respeito de quais os indivíduos são mais suscetíveis à infidelidade, ou mesmo, sobre os contextos que a promovem. Este artigo procura discorrer a respeito desse fenômeno tão difundido e que, concomitantemente, deixa tantas pessoas desamparadas de conhecimentos sobre este assunto.
Palavras-chave: Infidelidade; amor; relações homem-mulher; ciúme.


Heterossexual Infidelelity and Contemporary Love Relantionships

Abstract

The binomial “fidelity-infidelity” is presently the focus of several theoretical and empiric researches. The relevance of this field of studies is justified because infidelity is a phenomenon that is present in the life of couples and families implicating in damages and suffering for them, and challenges for the therapists, who work with demands of this kind. Yet, it is not necessary to be married to experience infidelity. All types of relationships are subject to its disastrous influence. Little is known about which individuals are more susceptible to infidelity, or even, which contexts may promote it. This article tries to discuss this wide spread phenomenon that leaves so many people devoid of knowledge on the subject.
Keywords: Infidelity; love; men-women relationships; jealousy.

Thiago de Almeida

Transgeracionalidade: Quando Crescer Não É Permitido

Carolina Silva Raupp
Clarissa Corrêa Menezes

Resumo

O presente estudo avaliou as mudanças nos efeitos da transgeracionalidade sobre as relações emocionais na família durante o processo terapêutico, através de um caso clínico. Participou do estudo uma família que buscou atendimento psicológico trazendo por queixa inicial as dificuldades de aprendizagem da filha e o medo que o filho apresentava de ficar sozinho. Foram realizados aproximadamente 22 consultas em um período de cinco meses, quando ocorreram evidentes progressos nos comportamentos das crianças, na relação com a família de origem e na relação conjugal. Os dados foram obtidos através dos relatos dos atendimentos e de duas consultorias com um profissional especializado oferecidas pela clínica. Pôde-se captar o estilo de funcionamento transgeracional e, a partir da atuação terapêutica, tornar consciente esta questão para a família, favorecendo o desenvolvimento de seus membros e amenizando o impacto da transgeracionalidade sobre esta geração.
Palavras-chave: família; transgeracionalidade; terapia de família.


Transgenerationality: When Growing Is Not Allowed

Abstract

This study examined the impact of transgenerationality on the emotional relations in the family, through a clinical case. The family participating of the study looking for psychological help bringing as an initial complaint the difficulties of learning of the daughter and the son’s fear of being alone. The family therapy was carried out for five months, with evident progress in behavior of the children, in the relation with the family of origin and in the couple’s relation. Data were got through the reports of therapy sessions and from two counseling sessions with specialized professionals offered by the clinic. The transgenerational functioning style of this family could be detected and treated by making it become a conscious question for the family, promoting the development of its members and diminishing the impact of transgenerationality on this generation.
Keywords: family; transgenerationality; family therapy.

Carolina Silva Raupp; Clarissa Corrêa Menezes

O Convite a Outras Vozes na Construção da Mudança em Terapia Familiar

Nair de Oliveira Mendes
Emerson F. Rasera

Resumo

Este artigo descreve uma experiência de atendimento a uma família cujo filho mais novo foi encaminhado pela escola para terapia. Tem como objetivo ilustrar como a inclusão de um membro do grupo familiar no sistema terapêutico pode ampliar entendimentos e criar conversações generativas. Inspirados por uma abordagem construcionista social, descreveremos a construção do sistema terapêutico no caso atendido, buscando explicitar como se deram as transformações narrativas nas sessões. Através das conversas iniciais, construímos um relato dominante sobre a família e o problema, o qual foi transformado pelo início da participação da filha mais velha na terapia, facilitando a transformação de antigas vozes familiares. As reflexões sobre este processo de mudança apontam a importância da construção da terapia como um espaço de confiança no qual seja possível à família se apropriar de seus recursos e se co-responsabilizar pela solução de seus dilemas.
Palavras-chave: terapia familiar; mudança terapêutica; construcionismo social.


The Invitation to Other Voices in the Construction of Change in Family Therapy

Abstract

This article describes the therapy experience of a family whose youngest son was referred to therapy by the school. Its goal is to illustrate how the inclusion of a member of the family in the therapeutic system can promote understandings and create generative conversations. Based on a social constructionist approach, we describe the construction of the therapeutic system, emphasizing the narrative changes in the sessions. Through the initial conversations, we constructed a dominant story about the family and the problem, which was transformed by the beginning of the participation of the oldest daughter in the therapy, facilitating the transformation of old familiar voices. The reflections about this process of change point to the importance of constructing therapy as a safe space in which it is possible to the family to recognize its resources and to be co-responsible for the solution of its dilemmas.
Keywords: family therapy; therapeutic change; social constructionism.

Nair de Oliveira Mendes; Emerson F. Rasera

Ampliando e Fortalecendo as Redes Sociais de Famílias de Baixa-renda em Situação de Adoecimento Infantil

Luciana Araujo Gomes
Andrea Seixas Magalhães

Resumo

Relatamos nosso trabalho psicoterápico de fortalecimento e ampliação das redes sociais de famílias de baixa-renda, em situação de adoecimento infantil. Esse trabalho foi integrado ao Programa de uma Associação num hospital da rede municipal do Rio de Janeiro. Teve como objetivo principal incentivar as famílias no sentido da reconstrução dos vínculos entre os membros, e também da conquista de redes sociais de apoio com outros grupos, a fim de se ampararem, afetivamente e materialmente, no enfrentamento das dificuldades vividas, o que incluía a doença da criança. Ilustramos com um caso atendido esse nosso auxílio às famílias no resgate e criação de vinculações importantes. Concluímos ser a família a fonte mais importante de suporte para os seus membros, visto que ela representa a fonte primária de refúgio e aconchego, possivelmente experimentados numa época remota de suas vidas. Por essa razão, é significativa uma intervenção em psicoterapia que acentue o restabelecimento de redes de suporte familiares.
Palavras-chave: psicoterapia; redes sociais; famílias de baixa-renda; adoecimento infantil.


Enlarging and Straightening the Low-income Family Social Nets Vis-a-vis Falling-ill-children

Abstract

Our therapeutical work is on straightening and enlarging of the low-income family social nets in view of infantile illness. This work became integrated in a Rio de Janeiro hospital Association Program. Its main objective was to stimulate the families in the reconstruction of the bonds among its members, and also in the conquest of social nets of support with other groups, so as to be supported, affectively and materially, as facing problems. With a case we illustrate our work with families in the rescue and creation of important links. We conclude that the family is the most important source of support for its members, therefore being the primary source of shelter and warmth, possibly experienced at an early age. That is why an intervention in psycotherapy that stresses the reestablishment of family nets of support is necessary.
Keywords: psycotherapy; social nets; low-income families; infantile illness.

Luciana Araujo Gomes; Andrea Seixas Magalhães

A Formação da Identidade e de Redes Sociais na Família de Imigrantes Italianos no Brasil

Silvana Bagno

Resumo

O Brasil é uma nação intercultural, com as mais diversas etnias. Este artigo pretende estudar o fenômeno migratório e compreender as implicações de se sair de seu país de origem, se fixar num novo país e criar novas raízes; o foco encontra-se nos processos de migração, de adaptação sócio-cultural, de aculturação e de integração do imigrante italiano e seus descendentes, na formação da sua identidade. Este estudo trata da imigração de italianos para o Brasil e a atual emigração dirigida à Itália; os dados desta são baseados do trabalho de Maurizio Andolfi e da equipe da Fondazione Silvano Andolfi. A rede social é um depositário fundamental da identidade; o deslocamento de uma família para um novo país resulta num processo de desenraizamento em vários estágios. O imigrante vive “sentado entre duas cadeiras”; é preciso resgatar e dignificar suas raízes para poder se apropriar do imenso potencial de pertencer às duas culturas.
Palavras-chave: imigração; aculturação; identidade; redes sociais; família.


Identity Building and Social Network in Italian Immigrant Families in Brazil

Abstract

Brazil is an intercultural nation, with diverse etnias. This article intends to study the migratory phenomenon and to understand the implications of leaving the original country, getting established in a new country and bulding roots. The focus is the Italian migration processes, its social-cultural adaptation, acculturation and integration of the Italian immigrant and their descendants, and the impact on their identity formation. This study is about the Italian imigration to Brazil and recent emigration to Italy; the latter based on the Maurizio Andolfi’s work and the team work of the Fondazione Silvano Andolfi. The social network is an essential depositary of the identity; the deslocation of a family to a new country results in an uprooting process with several stages. The immigrant lives ‘sitting down between two chairs’; he needs to recover and to dignify his roots in order to, adequately, be able to use the very large potential of belonging to two cultures.
Keywords: imigration, cultural adaptation, identity, social networks, family

Silvana Bagno

O Trabalho Com Imigrantes na Itália: Da Psicoterapia à Clinica Intercultural

Umberta Telfener

Resumo

O objetivo deste artigo é o de refletir sobre a prática com pacientes migrantes, com a finalidade de avaliar a atitude do terapeuta e evidenciar como a psicologia clínica é cultural por definição. Propõe-se a clinica intercultural que pode ser definida como uma opção de prática clínica. Para isso, é fundamental abrir-se ao diálogo cultural, bem como focar a atenção sobre o outro, prestando atenção nas relações. Trabalha-se levando em conta tanto a diferença quanto a contaminação cultural que permeia cada encontro. Abandonam-se regras a priori, para aceitar um saber e uma ciência comparada. Aceita-se a multiplicidade dos saberes possíveis, dos quais deve-se aprender a desembaraçar-se com audácia. Adota-se uma antropologia do saber que tenha por protagonistas os sujeitos presentes na sala de consulta. Concentra-se, portanto, no ‘conhecimento intercultural’ que se cria no encontro, partindo de uma relação que tenta respeitar as diferenças e observá-las na dinâmica das relações.
Palavras-chave: diversidade cultural; psicologia clinica; interdisciplinaridade.


Working With Imigrants in Italy: From Psychoterapy o Intercultural Clinic

Abstract

The goal of this essay is to reflect about the clinic work with migrants, with the purpose of evaluating the therapist attitude and affirm that clinical psychology is cultural by definition. It presents the intercultural clinic that can be defined as one option in the clinical practice. For that, the openness to the cultural dialogue is important, besides focusing the attention on others and their relations. The work takes into consideration the difference and the cultural contamination that is present in each meeting. The ‘a priori’ rules are abandoned in order to accept a compared knowledge and science. The multiplicities of possible knowledge are accepted, and professionals should know how to get rid of their own. A knowledge that has as protagonists the ones present in the consultation are adopted. The main focus is the ‘intercultural knowledge’ that is created during the meeting, starting in a relation that tries to respect the differences and watch them in relation dynamics.
Keywords: cultural diversity; clinical psychology; interdisciplinarity.

Umberta Telfener

Michael White: Um Terapeuta Acrobata

Nina Vasconcelos Guimarães

Resumo

Neste artigo inicio estabelecendo uma diferença entre os movimentos estruturalistas e pós-estruturalista e exploro os pressupostos epistemológicos da terapia narrativa de Michael White. Escrevo sobre o conceito de desconstrução de Derrida, a terapia enquanto ação política, de Michel Foucault, a concepção de mente social de Jerome Bruner, e me estendo pela prática clínica do autor. Enfatizo a externalização do problema, as conversações de re-autoria e re-membramento, além de expor a importância de elevar o setting com as denominadas testemunhas externas, todas metáforas narrativas que representam o trabalho terapêutico criativo deste mestre.
Palavras-chave: narrativa; linguagem; estruturalismo e pós-estruturalismo.


Michael White: An Acrobat Therapist

Abstract

In this article I present the diference between estruturalism and pos-estruturalism moviments and explore the epistemologic principles of the narrative therapy of Michael White. I write about the concept of desconstrution of Derrida, the therapy as a politic action, by Michel Foucault, the concept of social mind from Jerome Bruner and extend to the clinic practice of the author. Continue emphasizing the problem externalization, the conversations of re-authoring and re-membering, besides highlighting the settingwith extern witness, everyone narrative methaphors that represents the criative work of this master.
Keywords: narrative; language; estruturalism and pos-estruturalism.

Nina Vasconcelos Guimarães

Em Memória de Jay Haley Consuelo C. Casula Jay Haley em 13 fevereiro de 2007 foi reencontrar seu mestre Milton Erickson, para retomar uma conversa com ele, com Gregory Bateson e com Jonh Weakland, privando a sua esposa Madeleine Richeport, a filha Kathleen, os filhos Andrew e Gregory, os netos e todos nós de sua amável presença, de sua sábia supervisão e das suas conferências vivazes. Consuelo C. Casula Clique aqui para o texto completo
close-link