Pensando Famílias vol. 12, nº 1

A Pensando Famílias vol. 12, nº 1, conta com a contribuição de autores que apresentam suas reflexões, experiências e pesquisas na área de terapia de casal e família. Nesta edição temos a presença instigante de Dora Schnitman e Charles Fischman representando as contribuições internacionais.
Os autores nacionais escrevem sobre transtornos do desenvolvimento, grupo conjugal, família com crianças, mediação familiar, escolhas amorosas por mulheres, bullying, terapia sistêmica individual e sobre Michael White como o mestre das narrativas.

Estamos muito próximos do VIII Congresso Brasileiro de Terapia Familiar, o que nos remete a pensar sobre todas as possibilidades que a Terapia Familiar nos permite. Vislumbramos a riqueza de abordagens e intervenções que dispomos para ajudar famílias a superar suas dificuldades. É isto o que nos promete este VIII Congresso com o tema “Diversas Famílias, Contextos Diferentes, Múltiplos Olhares”.

Da mesma forma em nossa revista Pensando Famílias temos tido a oportunidade de apresentar artigos de autores que escrevem sobre suas experiências, reflexões, pesquisas na área de casal e família. A contribuição desses autores é imensa, pois contribuem para o aprofundamento da compreensão das relações familiares, permitindo que cada vez mais as famílias sejam beneficiadas com atendimentos mais consistentes.

Nesta edição temos o artigo de D. F. Schnitman que apresenta o questionário generativo desenvolvido por ela na INTERFAS, B. Aires, instrumento este que ampliou sua prática clínica, incluindo uma série de diversidades, perspectivas e práticas sistêmicas e pós-modernas.

C. Fishman escreve sobre a maneira de isolar os elementos essenciais de terapia dos distúrbios alimentares para alcançar resultados eficazes no tratamento da anorexia e bulimia nervosa.

M. M. S. Nunes e B. S. G. Werlang trazem resultados sobre o Teste de Apercepção Familiar (FAT) em crianças com transtorno de conduta, transtorno desafiador opositivo e transtorno de déficit de atenção / hiperatividade.

C. L. M. Gabel busca em autores de Terapia Familiar Sistêmica e Dinâmica de Grupos caracterizar o casal enquanto grupo através de três subitens: a família como grupo, a formação do casal e escolha do parceiro.

M. N. F. F. Lima faz a articulação de um caso clínico com conceitos da linguagem compreendida como jogos (Wittgenstein). Refere-se ao que Austin nomeou como ”efeitos performativos da linguagem”.

Pytlovanciw, Oliveira, Serpa e Erbes apresentam em seu artigo uma experiência no Serviço de Mediação Familiar.

Almeida, Levandowski e Palma escrevem sobre a investigação realizada sobre as escolhas amorosas de mulheres de meia-idade, procurando identificar as características relevantes na busca de um novo parceiro e nas relações desejadas.

B. Detoni escreve sobre o bullying. Caracteriza a dinâmica familiar que favorece o bullying na escola através da apresentação de um caso de atendimento de terapia familiar.

C. Tronco focaliza, neste artigo, os fundamentos dos atendimentos individuais sistêmicos realizados em uma clínica de atendimentos de casais e famílias. Descreve a utilização de duas intervenções: o questionamento circular e a externalização.

M. K. Sattler escreve sobre as idéias centrais de Michael White, falecido em 05 de abril de 2008.

Helena Centeno Hintz

Questionário Generativo em Terapia

Dora Fried Schnitman*

Resumo
No início dos anos noventa, eu dirigia Interfas, um instituto fundado em 1984, e trabalhava como uma terapeuta para identificar processos capazes de oferecer novas possibilidades em terapia. Eu estava interessada em encontrar meios para usar os recursos que os clientes traziam à terapia, meios para ampliar o que eles realmente estivessem fazendo bem. Originalmente um instituto de terapia de família, Interfas evoluiu para um centro cultural e de reflexão usado para disseminar pensamentos e práticas inovadoras. Neste contexto, desenvolvi o que refiro como questionário generativo, o qual ampliou minha prática clínica psicológica para incluir uma amplitude de diversidades, de perspectivas e práticas sistêmicas e pós-modernas (Fried Schnitman & Schnitman, 2002).
Palavras-chave: Questionário generativo; terapia de família; papel do terapeuta.


Generative Inquiry in Therapy

Abstract
In the early nineties, I directed Interfas, an institute I founded in 1984, and worked as a therapist to identify processes for accessing new possibilities in therapy. I was interested in finding ways to use the resources that clients brought to therapy, ways to expand on what they were already doing well. Originally a family therapy institute, Interfas developed into a think-tank and a cultural center used to disseminate innovative thinking and practices. In that context, I developed what I refer to as generative inquiry, which expanded my clinical psychology background to include a range of diverse systemic and postmodern perspectives and practices (Fried Schnitman & Schnitman, 2002).
Keywords: generative inquiry; family therapy; therapist role.

* University of Buenos Aires, Fundación Interfas.

Dora Fried Schnitman

A Mudança Rápida: Terapia Familiar Estrutural Intensiva para Pacientes Com Transtorno Alimentar Crônico

H. Charles Fishman

“Vá ao coração do perigo, porque lá você encontrará a segurança” Antigo Provérbio Chinês

Resumo
Por três décadas, o autor tem procurado uma maneira de isolar os elementos essenciais da terapia dos distúrbios alimentares para fornecer resultados eficazes no tratamento da anorexia e bulimia nervosa. Este artigo apresenta um modelo para a melhora rápida na sintomatologia das desordens alimentares; uma abordagem baseada numa aproximação contextualizada que trabalha com o paciente e seus ambientes mais influentes. Esta aproximação é eficaz através da criação de uma crise terapêutica e através do trabalho com o padrão homeostático, tal como a evitação do conflito, que mantêm o problema. Uma amostra preliminar dos casos clínicos que variam de idades entre 16 a 70 anos de idade são apresentados.
Palavras-chave: anorexia nervosa, bulimia, terapia de família, evitação do conflito, manutenção da homeostase


Fast Change: Intensive Structural Family Therapy for Chronic Eating Disorder Patients

Abstract
For three decades, the author has been seeking a way to isolate the essential elements of eating disorder therapy to provide effective, responsive results in the treatment of anorexia nervosa and bulimia nervosa. This paper presents a model for fast amelioration of eating disorder symptomatology; a contextually based approach which works with the patient and her most influential contexts. This approach is effective through the creation of a therapeutic crisis and through work with the homeostatic pattern, such as conflict avoidance, that maintain the problem. A preliminary sample of clinical cases ranging in age from 16- to 70-years-old are presented.
Keywords: anorexia nervosa, bulimia nervosa, family therapy, conflict avoidance, homeostatic maintainer

H. Charles Fischman

Apercepção Familiar e Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade, Transtorno de Conduta e Transtorno Desafiador Opositivo

Maura Marques de Souza Nunes
Blanca Susana Guevara Werlang

Resumo
Verificou-se, de maneira geral, que crianças com Transtorno de Conduta, Transtorno Desafiador Opositivo e Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade não deram, no Teste de Apercepção Familiar (FAT), mais respostas (com significância estatística) denotando funcionamento familiar mais conflitivo ou disfuncional do que as crianças sem estes transtornos. Participaram 32 crianças, divididas em dois grupos (clínico e não clínico) de 16 sujeitos. Os instrumentos utilizados foram: uma Ficha de Dados Sociodemográficos, a Child Behavior Checklist, o Teste Matrizes Progressivas Coloridas de Raven e o FAT. Constatou-se associação significativa entre o tipo de grupo não-clínico e a categoria de resposta conflito para as lâminas 4 (p=0,028), 11 (p=0,017) e 18 (p=0,003). Verificou-se, também, nas lâminas 7 (p=0,020), 9 (p=0,019), 11 (p=0,031) e 18 (p<0,001), que o grupo não-clínico encontrou mais soluções positivas para seus conflitos que o grupo clínico. Nas categorias imposição de limites e fronteiras não foi identificada associação com significância estatística.
Palavras-chave: Transtorno de conduta; transtorno desafiador opositivo; transtorno de déficit de atenção/hiperatividade; teste aperceptivo familiar.


Family apperception and hyperactivity and attention deficit disorder, behavior disorder and oppositional defiance disorder

Abstract
It was verified, in general, that children with Behavior Disorder, Oppositional Defiance Disorder and Hyperactivity/Attention Deficit Disorder didn’t given, in the Family Apperception Test (FAT), more responses (with statistic significance) that denote a more conflictive or dysfunctional family functioning in comparison to children without these disorders. 32 children divided into two groups (clinical and non-clinical) of 16 subjects participated. The instruments used were: a sociodemographical data file, the Child Behavior Checklist, the Raven Color Progress Matrix Test – Special Scale and the FAT. It was evidenced significant association between the non-clinical group type and the conflictive response category for pictures 4 (p=0.028), 11 (p=0.017) and 18 (p=0.003). Pictures 7 (p=0.020), 9 (p=0.019), 11(p=0.031) and 18 (p<0.001) also show that the non-clinical group found more positive solutions for their conflicts than the clinical one. In the categories limit imposition and boundaries, no association with statistical significance was found.
Keywords: Behavior disorder; oppositional defiance disorder; hyperactivity/attention deficit disorder; family apperception test.

Maura Marques de Souza Nunes e Blanca Susana Guevara Werlang

O Casal: um Estudo sobre o Grupo Conjugal

Christine Liz Moeller Gabel

Resumo
Este artigo tem como objetivo caracterizar o casal enquanto um grupo social. Consiste em uma revisão bibliográfica, baseado em autores da Terapia Familiar Sistêmica e de estudiosos da Dinâmica dos Grupos. Foi apresentado em três subitens: a família enquanto grupo; o momento de formação do casal e a escolha do parceiro. Observou-se que o casal apresenta regras, papéis, funções e estrutura próprios. Os membros que formam a díade conjugal obtém benefícios através da relação, tais como satisfação de suas necessidades, crescimento pessoal e profissional, maior estabilidade psíquica e diferenciação de sua família de origem e infância. Porém, necessitam de reciprocidade para manter o relacionamento amoroso, reorganização diante de novas situações, reaprendizagens e renúncias. Como os demais grupos sociais, o casal também se desenvolve através do tempo, influenciando e sendo influenciados pelas contingências internas e externas do meio ao qual faz parte.
Palavras chave: casal; grupo conjugal; relacionamento amoroso.

The Couple: a Study About the Conjugal Group

Abstract
This article’s objective is to demonstrate the couple as a social group. It is a bibliographic revision, based in writers of the Family System Therapy and of the Dynamic of Groups. It was written in three parts: the family while group; the beginning of the couple and the choice of the partner. It was noticed that couples have rules, roles, functions and structures of their own. The partners gain advantages by the relationship, like the fulfillment of necessities, personal and professional growing, bigger psychic stability and differentiation of it’s original family and it’s childhood. But reciprocity is needed to maintain a relationship of love, to learn in front of new situations, reorganization and renunciation. Just like others social groups, the couple are developed across the time, it affects and is affected by the middle which it belongs.
Keywords: couple; conjugal group; lover relationship.

Christine Liz Moeller Gabel

O Atendimento a uma Família com Crianças e os Jogos de Linguagem

Maria Neuza de Faria Ferreira Lima

Resumo
Esse artigo propõe a articulação de um caso clínico com alguns conceitos de linguagem; não a descritiva ou a representacional, mas a linguagem compreendida como Jogos, (Wittgenstein), ação entre pessoas, constitutiva, criadora de mundos. Como se dá essa interlocução na qual cliente e terapeuta engajam-se em jogos de linguagem? Como reconhecer e nomear esses jogos? Acreditar que faz parte do discurso do cliente e que esse discurso o afeta de alguma forma são ingredientes importantes que ajudarão o terapeuta a identificar de quem fala, de que fala, como fala e para que fala. E que, ao participar do jogo, estará juntamente com o cliente construindo possibilidades de redescrever a si mesmo e ao outro e, portanto, criando realidades. A esse processo Austin deu o nome de “efeito performativo da linguagem”.
Palavras-Chave: Família com crianças; jogos de linguagem; efeito performativo.


Therapy with a Family with Children and Language Games

Abstract
This article proposes an articulation between a clinical case and some language concepts, not the descriptive or representational one, but the language understood as games, (Wittgenstein) action among people, constituent, creator of worlds. How does this interlocution, between client and therapist engaged in language games, take place? How to recognize and name these games? To believe that he is part of the client’s speech and that this speech somehow affects him are important ingredients that will help the therapist to identify from where the speech takes place, what it is about, how and why it is done. By participating in the game he will be, together with the client, building a new picture of him and the other, thus creating realities. To this process Austin gave the name of “performative effect of language”.
Keywords: Family with children; language games; performative effect.

Maria Neuza de Faria Ferreira Lima

Escolhas Amorosas de Mulheres de Meia-Idade

Viviane Fialho Almeida
Daniela Centenaro Levandowski
Yáskara Arrial Palma

Resumo
No presente estudo investigaram-se as escolhas amorosas de mulheres de meia-idade, a fim de identificar as características levadas em conta na busca de um novo parceiro e o tipo de relacionamento desejado. Também foram examinadas a percepção sobre o relacionamento anterior e sobre a relação conjugal dos pais, os motivos da escolha do ex-marido e da separação e suas repercussões na busca de um novo relacionamento. Participaram do estudo seis mulheres (47 a 56 anos) separadas, com filhos e que exerciam alguma atividade ocupacional. Análise de conteúdo qualitativa das entrevistas indicou a busca das participantes por um novo parceiro, apesar de um sentimento de despreparo para isso. Foram percebidas repercussões das características do ex-marido nessa busca. Semelhanças e diferenças entre a relação conjugal anterior e a relação dos pais foram também evidenciadas.
Palavras-chave: escolhas amorosas; mulher; meia-idade.


Middle Age Women´s Loving Choices

Abstract
In this study the middle age women’s loving choices were investigated, in order to identify the considered characteristics in the search of a new partner, the type of desired relationship, the perception on the previous relationship and on the parents’ matrimonial relationship, and the reasons of the choice of the former-husband and of the separation and his/her influence in the search of a new relationship. Participated in the study six divorced women (47 to 56 years old) that had children and a job. The research had a qualitative character. Semi-structured interviews were analyzed through qualitative content analysis. The results indicated that the participants looked for a new partner, although they felt unprepared for that. It was noticed the influence of the previous relationship in that search, especially as for the partner’s characteristics. Similarities and differences between the previous matrimonial relationship and the parents’ relationship were also observed.
Keywords: loving choices; woman; middle age.

Viviane Fialho Almeida; Daniela Centenaro Levandowski e Yáskara Arrial Palma

Bullying: O Lugar da Criança na Família, o Lugar da Criança na Escola

Bruna Detoni

Resumo
O bullying é considerado um fenômeno antigo, que sempre esteve presente nas escolas, mas vem sendo estudado mais detalhadamente nas últimas décadas. É um conjunto de atitudes agressivas, intencionais e repetitivas que ocorrem sem motivação evidente, adotado por um ou mais alunos contra outro(s), causando dor, angústia e sofrimento. Este trabalho discorre a respeito de como a dinâmica familiar influencia para que uma criança seja vítima de bullying na escola. Para tanto foi utilizado um caso de atendimento de terapia familiar que envolvia esta temática. Trabalhou-se com a família aspectos relativos à dinâmica e obtiveram-se resultados e mudanças significativos na relação familiar e com relação ao comportamento e relacionamento do menino na escola.
Palavras chave: bullying; família; criança; escola.


Bullying: The Place of the Child in the Family, the Place of the Child in the School

Abstract
Bullying is considered an old phenomenon that has always been present in the schools, but only in the past decades it has been studied more deeply. It is a set of aggressive, intentional and repetitive attitudes that occur without evident motivation, adopted by one or more students against another one (s), causing pain, anguish and suffering. This work presents the family dynamics influencing in a child being a victim of bullying in the school. A case of family therapy was used to exemplify this subject. In the therapy the family treated aspects concerning their dynamics and achieved significant changes in the familiar relationships and with regard to the boy’s behavior at school.
Keywords: bullying; family; child; school.

Bruna Detoni

Clique aqui para o texto completo

Contribuições para uma Terapia Sistêmica Individual

Cristina Benites Tronco

Resumo
Este artigo tem por objetivo fundamentar teoricamente os atendimentos individuais sistêmicos realizados em uma clínica de atendimentos a casais e famílias, em Porto Alegre. Serão apresentados conteúdos teóricos e intervenções específicas, oriundas da teoria sistêmica para os atendimentos familiares, que podem ser utilizadas com eficácia também no contexto individual. Duas intervenções serão descritas: o Questionamento Circular e a Externalização. Foi possível concluir que a Terapia Sistêmica Individual se baseia em fundamentos teóricos bastante coerentes, porém ainda existe muito pouca bibliografia nacional sobre o assunto. Para difundir esta prática é necessário encorajar os terapeutas que se utilizam desta técnica a escrever sobre suas experiências.
Palavras-chave: Terapia individual sistêmica; questionamento circular; externalização.


Contibutions to an Individual Systemic Therapy

Abstract
This work aims to explain theoretically the Individual Systemic Therapy performed in a therapeutic setting for couples and families, in Porto Alegre. Theoretical contents and specific interventions of family therapy based on the systemic theory, which can also be used effectively in the individual context, will be presented. Two interventions are described: the Circular Questionning and Externalizing. It was possible to conclude that Individual Systemic Therapy is based on coherent theoretical foundations, but there is a lack of literature on the subject. To disseminate this practice it is necessary to encourage therapists who make use of this technique to write about their experiences.
Keywords: Individual systemic therapy; circular questionning; externalizing.

Cristina Benites Tronco

Michael White, o Mestre das Narrativas
Michael White, The Master of Narratives


Marli Kath Sattler

Profissional de referência internacional das Narrativas, co-diretor do Dulwich Centre, em Adelaide, na Austrália, era freqüentemente convidado a compartilhar suas idéias ao redor do mundo.
Interesse pela vida era uma das características marcantes de Michael White. Aí estava incluído tanto o interesse pela vida de outras pessoas e suas histórias, quanto o interesse pessoal por hobbies e cuidados com a sua própria saúde. Praticava surf, pilotava avião e era vegetariano. Solidário, destinava parte dos recursos obtidos através dos cursos ministrados à manutenção de projetos desenvolvidos em comunidades carentes.
Entrei em contato com suas idéias, pela primeira vez, em 1994, quando realizava visita técnica ao Barnaby Centre, um centro de atendimento a casais e famílias, em Liverpool, Inglaterra. Apesar de, desde então, buscar acompanhar as suas publicações, só vim a encontrá-lo pessoalmente em sua vinda ao Brasil, em 2005, em Salvador, e, posteriormente, em 2006, em Porto Alegre. Estes momentos foram muito especiais a todos os que tiveram a oportunidade de participar dos cursos por ele ministrados. Se soubéssemos o que estava por vir, de forma tão rápida, talvez mais pessoas tivessem aproveitado sua estada por aqui. Mas assim é a vida. O que nos resta, agora, é usufruir o legado de ensinamentos que ele nos deixou.

Marli Kath Sattler

close-link