Pensando Famílias vol. 16, nº 1

A Pensando Famílias vol. 16, nº 1, apresenta em seu conteúdo artigos que tratam de assuntos diversos sobre especificidades da família e do casal. Vincenzo Di Nicola, professor de psiquiatria na Universidade de Montreal, Quebec, em seu artigo, escreve a um jovem terapeuta.
Os autores nacionais apresentam importantes contribuições sobre o papel da mulher na família, o jovem adulto solteiro, transição da conjugalidade para a parentalidade, genograma sexual, gravidez na adolescência, maternidade em mulheres primíparas, geração canguru, ninho vazio, relação da dupla de terapeutas, ciclo de vida familiar, transmissão geracional e mediação.

Vincenzo Di Nicola escreveu um livro a um jovem terapeuta composto de sete cartas onde relata sua experiência com a terapia relacional. A primeira carta aqui apresentada traz a ferramenta que Di Nicola denomina de espirais a qual utiliza para abordar as pessoas que iniciam uma terapia, mas com manifestam o desejo de não mudar. Di Nicola destaca que para chegar a uma compreensão adequada do ser humano, é necessário remover “cortinas”. Isso contrasta com a nossa experiência ao vivermos na era da tecnópole, onde tudo se reduz a técnicas, esquecendo a riqueza tanto da subjetividade como do julgamento humano.

Ana Maria C. O. Santos e Anderson Chalhub apresentam uma pesquisa interessante sobre a mulher sertaneja no contexto familiar. Os autores discorrem sobre o papel dela na família, utilizando a literatura de cordel, exemplificando situações da vida da sertaneja. A literatura de cordel representa a cultura do povo sertanejo, trazendo reflexões importantes sobre sua condição social e oportunizando a compreensão do poder desta cultura sobre um grupo social.

Carolina D. de Souza e Maria Aparecida Crepaldi mostram uma revisão de literatura sobre a compreensão relacional sistêmica sobre o adulto jovem solteiro. Para isso detiveram-se sobre aspectos de vida importantes: a teoria bioecológica do desenvolvimento humano, o ciclo vital da família e o indivíduo e as fronteiras familiares. Consideram que estes aspectos enriquecem o processo psicoterapêutico, abrindo a possibilidade de discussões ricas sobre o tema.

Isabela M. da Silva e Rita de C. S. Lopes discutem sobre a transição do casal conjugal para o casal parental dentro de uma perspectiva da Teoria Familiar Sistêmica e da Psicologia do Desenvolvimento. As autoras referem que estudos empíricos sustentam a ideia de que a inter-relação entre estes dois sistemas auxiliam a adequação do casal conjugal em sua transição para a parentalidade, assim como um relacionamento bom entre os pais auxiliam na manutenção de uma conjugalidade satisfatória.

Betina C. Forgearini e Helena C. Hintz apresentam um caso clínico onde foi utilizado o genograma sexual, enriquecendo a compreensão do casal em atendimento. Este instrumento permite relacionar as vivências atuais da sexualidade do casal com os padrões adquiridos em suas famílias de origem. No transcorrer do trabalho são apresentadas questões teóricas que fundamentam o uso de referido instrumento.

Clarissa T. de Oliveira, Ana Cristina G. Dias e Naiana D. Patias fazem uma revisão sistemática sobre o tema da gestação da filha adolescente dentro do contexto familiar. As autoras construíram três categorias que representam a vivência de uma gravidez adolescente após analisarem 10 artigos sobre o referido tema. As categorias são: o impacto da notícia da gestação da filha, dificuldades na comunicação entre pais e a adolescente e apoio familiar. Estas categorias podem ter uma expressão diferente, conforme forem as condições socioeconômica e cultural da família. A situação de uma gravidez faz com os pais tenham que repensar vários aspectos da vida familiar que tenham vivido até o momento.

Larissa G. de Lima e Cristina S. Kruel apresentam um estudo sobre a experiência da maternidade em mães primíparas em retorno às atividades laborais, utilizando a Análise de Conteúdo de entrevistas semiestruturadas. As conclusões obtidas foram bastante relevantes para um melhor entendimento dos sentimentos e comportamentos demonstrados por estas mães.

Mariana G. de Figueiredo e Ceneide M. de O. Cerveny abordam um tema atual que é a permanência dos filhos adultos solteiros mais tempo na casa dos pais. Utilizam dados de pesquisa realizada em São Paulo com fundamentação da teoria sistêmica e do ciclo vital, chegando a conclusões interessantes sobre o envolvimento dos pais com esta nova situação familiar.

Naiana D. Patias, Michelle I. Fontinel e Fernanda P. Jaeger escrevem sobre a visão dos pais, quando os filhos saem de casa, entrando, desta forma, na fase do “Ninho Vazio”. As autoras referem que esta situação exerce influências sobre a dinâmica familiar, modificando-a e exigindo que os pais busquem formas de superar a ausência dos filhos em casa.

Nádia B. da Silva e Denise Falcke apresentam uma revisão teórica em que descrevem as características de famílias incestuosas e também dos abusadores, das vítimas, dos progenitores não abusivos e as relações desenvolvidas nestas famílias. As autoras concluem o estudo trazendo reflexões sobre as possibilidades de revelação do abuso sexual e denúncia do mesmo.

Ricardo Woisky e Bárbara F. de Vitta apresentam a construção da relação de terapeutas que atuam em co-terapia no atendimento de uma família com o objetivo de refletir sobre esta relação. Os autores referem que a construção é efetuada através da influência integrada dos diversos elementos que compõem o setting terapêutico em um atendimento familiar.

Angela H. Marin e Débora S. de Oliveira por meio da terapia sistêmica trazem reflexões sobre a relação entre o ciclo de vida da família em atendimento e o ciclo de vida do terapeuta. Salientam que o sistema terapêutico estende-se além do olhar sobre a família, influindo diretamente as experiências de vida e do próprio trabalho do terapeuta.

T. Both e H. C. Hintz pretendem demonstrar em seu trabalho a repercussão que a transmissão geracional tem sobre o aparelho psíquico e como isso é operacionalizado pela família. Foi realizada uma fundamentação teórica dentro das abordagens psicanalítica e sistêmica, permitindo identificar a importância e a universalidade desta transmissão no desenvolvimento do indivíduo.

Rovana K. Bueno, Carla F. R. Leal e Sabrina A. de Souza relatam a experiência em um estágio profissionalizante em psicologia social comunitária realizado em uma Defensoria Pública de uma Comarca de cidade do interior do R. G. do Sul. Foram atendidos casos com a demanda de separação da união conjugal, utilizando a co-mediação e, assim, facilitando o diálogo na resolução dos conflitos.

Helena Centeno Hintz

Resumo

Este artigo é a primeira de sete cartas de um livro a um jovem terapeuta (Di Nicola, 2011) que ganhou o prestigiado Prêmio Camille-Laurin da Associação dos Médicos psiquiatras de Québec. Nestas sete cartas, o autor compartilha sabedoria com um jovem terapeuta após 25 anos de experiência trabalhando com terapia relacional. O livro de Di Nicola complementa seu modelo de trabalho com famílias de todas as culturas, apresentadas em Um Estranho na Família: Cultura, e Terapia (Di Nicola, 1997/1998).

Esta primeira carta aborda questões sobre a leitura de Freud e quando a terapia é iniciada. Pessoas iniciam a terapia para não mudar, o que significa seu desejo de manter a coerência. Como resultado, temos de encontrar formas sutis de abordá-los, e desta forma, eu descrevo minha primeira ferramenta para a terapia familiar: espirais.

Discute-se o fato de que as pessoas nem sempre optam em iniciar a terapia, assim como a questão da técnica. A explicação do autor sobre o que a narrativa faz para a nossa compreensão removendo “cortinas” que obscurecem nosso entendimento da fenomenologia humana, destaca o que fazemos em terapia. Isso é contrastado com a nossa era da tecnópole, que deseja reduzir tudo a técnica, o que pode ser medido em uma guerra contra a subjetividade e julgamento humano.
Palavras-chave: iniciando terapia; coerência; “espirais”; “cortinas”; técnica versus subjetividade.


Letter to a Young Therapist: “People Come into Therapy in Order not to Change”

Abstract


This article is the first letter of a book of seven letters to a young therapist (Di Nicola, 2011) which won the prestigious Prix Camille-Laurin of the Association des médecins psychiatres du Québec. In these seven letters, the author offers wisdom to a young therapist from 25 years of experience conducting relational therapy. Di Nicola’s book complements his model of working with families across cultures presented in Um Estranho na Família: Cultura e Terapia (Di Nicola, 1997/1998).

This first letter addresses questions about reading Freud and when therapy begins. People come into therapy in order not to change, meaning they want to maintain coherence. As a result, we must find gentle ways of approaching them, so I describe my first tool for family therapy: spirals.

The fact that people do not always choose to enter therapy is discussed as well as the question of technique. A novelist’s explanation of what narrative does to our understanding by removing “curtains” that obscure our understanding of human phenomenology highlights what we do in therapy. This is contrasted to our age of technopoly which wants to reduce everything to technique, to what can be measured, in a war against subjectivity and human judgment.
Keywords: beginning therapy; coherence; “spirals”; “curtains”; technique versus subjectivity.

Vincenzo Di Nicola

Resumo

Trata-se de um trabalho de pesquisa documental baseado em documentos originais. Sendo também exploratória e descritiva, tendo como objetivo identificar e caracterizar os diferentes papéis da mulher sertaneja no contexto familiar, com base na literatura de cordel. A pesquisa de campo foi realizada na Casa do Sertão, em Feira de Santana-Ba, em bancas de cordel, em Salvador-BA, em blogs e sites, sendo analisados em torno de 126 cordéis, mas foram selecionados aqueles com foco na figura da mulher sertaneja, abordando sua história de vida e a dinâmica familiar. A análise dos cordéis selecionados foi realizada a partir do método de análise de conteúdo de Bardin, 1977, iniciando com pré-análise, escolha dos poemas e análise semântica e de conteúdo dos cordéis, relacionando aos seguintes objetivos: a mulher sertaneja e sua realidade histórica, papéis da mulher sertaneja no contexto familiar, dinâmica familiar na qual a mulher sertaneja está inserida. Nessa análise, foi possível perceber que os versos dos cordéis reproduzem, de forma inconsciente, o ideal de uma sociedade patriarcal, mesmo quando homenageiam as mulheres, refletem uma visão machista. No viés da tradição oral, a mulher é caracterizada na atualidade da mesma forma que era descrita no período colonial e suas atividades estão sempre representadas com papéis de menor relevância.
Palavras-chave: mulher; sertaneja; cordéis; papéis; família.


The Cordel Literature as a Basis to the Role of the Country Women in the Family Context

Abstract

This is an exploratory and descriptive research based on original documents that aim to identify and characterize the different roles of the country women in the family context, based on Cordel Literature. The study was conducted at Casa do Sertão, in Feira de Santana-BA, on stalls in Salvador-Bahia, on blogs and websites. We analyzed about 126 poems (known as cordéis), although we selected only those that focus on the figure of the country women, covering her life history and family dynamics. The analysis of selected cordéis were performed from the method of content analysis (Bardin, 1977) starting with pre-analysis, selection of poems and semantic analysis of content, relating to the following objectives: the country women and her historical reality, the role of country women in the family context, the familiar dynamics in which the country woman is inserted. In this analysis, it was observed that even when the cordéis verses honor the women, it unconsciously shows a patriarchal society with a sexist ideal. As an oral bias, women is characterized with less importance then men as the same way as it was at the Colonial times and her activities are always underrepresented.
Keywords: women; country; string; paper; family.

Ana Maria C. O. Santos e Anderson Chalhub

Resumo

Esse trabalho visa enriquecer as discussões acerca da terapia relacional sistêmica individual fornecendo bases teóricas para práticas clínicas e pesquisas ao contextualizar o adulto jovem solteiro dentro dessa perspectiva na atualidade. Para tanto, se realizou um estudo teórico e de caráter exploratório, por meio de uma pesquisa bibliográfica de levantamento de dados, que resultou numa revisão de literatura sobre a compreensão relacional sistêmica sobre o adulto jovem solteiro, enfocando-se os seguintes aspectos: a teoria bioecológica do desenvolvimento humano, o ciclo vital da família e o indivíduo e as fronteiras familiares. Considerando a complexidade exposta nesses trabalhos é que o terapeuta relacional sistêmico poderá iniciar um trabalho psicoterapêutico com o jovem adulto solteiro. Essas reflexões também podem auxiliar na elaboração de novas pesquisas no enfoque relacional sistêmico acerca desse tema.
Palavras-chave: jovens; família; contemporaneidade.


The Systemic-Relational Comprehension of the Contemporary Young Single Adult: Some Theoretical Support

Abstract


This paper aims to enrich the discussions of individual systemic relational therapy providing a theoretical basis for clinical practice and research to contextualize the young adult within this perspective today. To this end, a theoretical study was conducted through a bibliographical research survey data, which resulted in a literature review of systemic relational understanding about the young adult, focusing on the following aspects: a bioecological theory of human development the family life cycle, and individual and family boundaries. Considering the complexity exposed in these studies is that the therapist may initiate a systemic relational psychotherapeutic work with the young single adult. These reflections can also assist in the preparation of new research in relational systemic focus on the subject.
Keywords: young adults; family; modernity.

Carolina D. Souza e Maria Aparecida Crepaldi

Resumo

Neste estudo, discute-se a relação entre os subsistemas conjugal e parental durante a transição para a parentalidade, a partir de uma perspectiva influenciada tanto pela Teoria Familiar Sistêmica, como pela Psicologia do Desenvolvimento. Autores de diferentes escolas da área da terapia de família dedicaram-se à compreensão desse tema, defendendo a inter-relação desses dois subsistemas. Estudos empíricos corroboram essa ideia ao afirmarem que conjugalidade e parentalidade tendem a se influenciar mutuamente e no mesmo sentido: bons relacionamentos conjugais favoreceriam a adaptação do casal diante da transição para a parentalidade, assim como a relação entre pais e filhos, enquanto bons relacionamentos coparentais favoreceriam a conjugalidade. Destaca-se a necessidade de considerar as especificidades e a complexidade da transição para a parentalidade, quando as fronteiras entre os subsistemas ainda estão se constituindo.
Palavras-chave: transição para a parentalidade; relação conjugal; sistemas familiares.


The Relationship between Marital and Parental Subsystems during the Transition to Parenthood

Abstract


In this study we discuss the relationship between the marital and the parental subsystems during the transition to parenthood from a perspective influenced both by Family Systems Theory and by Developmental Psychology. Authors from different approaches in the family therapy field devoted themselves to the study of this subject, postulating the interrelatedness of these two subsystems. Empirical studies support this idea and argue that marital and parental relations tend to influence each other reciprocally and in the same direction: good marital relations help the couple to adapt to the transition to parenthood, and to enhance the relationship between parents and children; good coparental relations tend to support marital relations. We highlight the need to acknowledge the peculiarities and the complexity of the transition to parenthood, when the boundaries between the subsystems are still being building.
Keywords: transition to parenthood; marital relations; family systems.

Isabela Machado da Silva e Rita de Cássia S. Lopes

Resumo

Hof e Berman, em 1986, desenvolveram o genograma sexual, instrumento criado com a finalidade de relacionar as experiências dos indivíduos em suas famílias de origem, com suas vivências atuais em sexualidade. Frente a esta ideia, será apresentado um estudo de caso em que o instrumento foi utilizado para auxiliar na compreensão dos padrões atuais de comportamento do casal em questão, assim como as origens destes padrões. Apresentamos, no decorrer do artigo, estudos teóricos sobre a transmissão de padrões familiares exercidas pela família de origem, a formação do casal a partir da influência transgeracional, aspectos de intimidade e sexualidade da vida dos cônjuges, correlacionando estes temas com a prática clínica.
Palavras-chave: transgeracionalidade; família de origem;sexualidade; intimidade; genograma sexual.


Sexual Genogram: An Intervention Strategy in Couple Therapy

Abstract

Hof and Berman, in 1986, developed the sexual genogram, an instrument created in order to relate the individual experiences in the family of origin with the current sexuality of the couple. This paper presents a case study in which the sexual genogram was used to assist a couple to understand their present behavior patterns, as well as the origin of those patterns. We present theoretical studies about the family patterns transmission exercised by the family of origin, the couple formation according to the transgenerational influence, intimacy and sexuality aspects of the couple’s life, correlating those aspects with clinical practice.
Keywords: transgenerationality; family of origin; sexuality; intimacy; sexual genogram. Betina Casanova Forgearini e Helena Centeno Hintz

Resumo

Este trabalho apresenta uma revisão sistemática da literatura sobre a vivência da família ante a situação de gestação da filha adolescente. Para tanto, foi realizado um levantamento de artigos na base de dados SciELO com os seguintes descritores: gestação and adolescência and família; gravidez and adolescência and família, e gravidez and adolescente and pais. No total, foram encontrados 66 artigos. Após a utilização dos critérios de inclusão e exclusão, restaram para análise final apenas 10 artigos que se referiram diretamente ao tema. Após a leitura e análise desses trabalhos na íntegra, foram construídas três categorias que exemplificam a vivência da família face à gravidez adolescente: 1) O impacto da notícia da gestação da filha, 2) Dificuldades na comunicação entre pais e a adolescente, bem como o 3) Apoio familiar. Observa-se que esses três elementos expressam-se de maneira diversa, dependendo do contexto sócio-econômico e cultural no qual a família está inserida.
Palavras-chave: gravidez; adolescência; família.


Pregnancy in Adolescence: How Does the Family Experience This Phenomenon?

Abstract


This paper presents a systematic review of literature about the family experience of their daughters’ teenage pregnancy. Therefore, a search was performed in SciELO database using the keywords: gestation and adolescence and family; pregnancy and adolescence and family; pregnancy and adolescent and parents. There were found 66 papers, but only 10 of them met the inclusion and exclusion criteria. After reading and analyzing the full-text of these articles, there were built three categories that show how family experience teenage pregnancy: 1) The impact of news of their daughters’ teenage pregnancy, 2) The difficulties of communication between parents and the adolescent, and 3) Family support. It has been verified that these three elements depend on the family’s cultural and socio-economic background.
Keywords: pregnancy; adolescence; family.

Clarissa T. de Oliveira, Ana Cristina G. Dias, Naiana D. Patias

Resumo

O presente estudo objetivou investigar a experiência da maternidade em mulheres primíparas no retorno às atividades laborais. Participaram do estudo três mães primíparas que retornaram ao trabalho após o período de licença a maternidade. Foi realizada uma entrevista semiestruturada e os dados foram analisados através da Análise de Conteúdo. Destacou-se que o planejamento consciente e cuidadoso da gravidez parece ter implicações diretas da atividade de trabalho que a mulher exerce, sendo que quanto maior a dedicação à atividade laboral maior a necessidade de planejamento sobre o nascimento do primeiro filho. Também se ressaltou que durante a licença maternidade a mulher pode não se dedicar exclusivamente ao filho e isto pode estar relacionado à necessidade de assumir outras tarefas. Para finalizar, conclui-se que a maior dificuldade em conciliar a maternidade com o trabalho é a falta de tempo e a sobrecarga de tarefas para a mulher, porém apesar de as mulheres sinalizarem esta dificuldade, sentem-se realizadas com a maternidade e observam a importância do trabalho em suas vidas.
Palavras-chave: maternidade; licença-maternidade; retorno ao trabalho.


The Experience of Motherhood in Primiparous Women in the Return of Labor Activities

Abstract


This study focuses on the experience of maternity in primiparous women in their return to normal work activities. Participants were three first-time mothers who returned to work after maternity license period. We performed a semi-structured interview and data were analyzed using Analysis of Content. It was underlined that the conscious and careful planning of pregnancy appears to have direct implications on the activity of work that women exercise, being that the greater dedication to the work activity, the greater the need for planning the birth of their first child. It was also pointed out that during maternity license a woman can not devote herself exclusively to her child and this may be related to the need to assume other tasks. Finally, we conclude that the major difficulty in balancing motherhood with work is the lack of time and extra work for women, but even with women signaling this difficulty, they feel accomplished with motherhood and notice the importance of work in their lives.
Keywords: maternity; maternity license period; return to work.

Larissa G. de Lima e Cristina Saling Kruel

Resumo

A presente pesquisa teve como objetivo compreender e analisar como os pais vivenciam o processo do prolongamento do tempo de permanência em casa do filho adulto solteiro. Buscando investigar este fenômeno, foi realizada uma pesquisa na cidade de São Paulo na qual foram entrevistados seis casais de pais com filhos na faixa etária dos 27 aos 35 anos, todos residindo com seus pais. A metodologia utilizada baseou-se em pesquisa qualitativa com delineamento no estudo de caso. A base teórica envolveu pesquisas e literatura sobre o fenômeno, bem como autores da teoria sistêmica e do ciclo vital. O conhecimento gerado demonstrou que os pais pesquisados vivenciam sem conflitos o prolongamento do tempo de permanência em casa dos filhos, qualificando positivamente o relacionamento com o filho adulto e não demonstrando preocupação significativa quanto à saída do filho adulto solteiro de casa. Constatou-se ainda que os papéis parentais destacam-se em relação aos conjugais. Foi percebido que o sucesso profissional dos filhos adultos solteiros contribui para a visão encontrada nos pais uma vez que gera um sentimento de vitória e dever cumprido nos mesmos.

Palavras-chave: parentalidade; relacionamento pais e filhos adultos; família.


Full Nest, Kangaroo Generation: The Parent’s Perspective of Adult Children Remaining at Home

Abstract


The purpose of this study was to comprehend and analyze how parents work through the process of their adult single children remaining in the parental home for an extended period. In order to investigate this phenomenon, research was undertaken in the city of São Paulo, in which six couples were interviewed, being in each case parents with adult children between the ages of 27 to 35. The method used was qualitative research with the case study approach. The theoretical base employed involved the cycle of life theory, systemic theory authors and researches and literature related to the subject. The knowledge developed with the data analyses demonstrated that these parents live at the same home with their adult children without conflicts. Parents describe the relationship with their adult children as a positive experience and they do not show significant preoccupations connected with the departure of the children from the parental home. The research also showed that the parental role is more in evidence than the marital role for these parents. It was verified that the professional success of the adult single children contribute for this concept observed in these parents, leading to a sense of accomplishment and success in the bringing-up of their children.
Keywords: parenthood; parent-adult children relationship; family.

Mariana G. de Figueiredo e Ceneide M. O. Cerveny

Resumo

As transformações que ocorrem com a saída dos filhos da casa dos pais são significativas e capazes de afetar a saúde mental de ambos. Esse estudo teve como objetivo compreender como se dá a saída do (s) filho (s) do contexto familiar a partir da visão dos pais. Realizamos uma pesquisa qualitativa da qual participaram dez casais de camadas médias, de uma cidade do interior do Rio Grande do Sul, que se encontravam em situação de “Ninho Vazio”. Como coleta de dados utilizou-se entrevista semiestruturada. Os resultados demonstram que a saída dos filhos da casa dos pais pode ser difícil, de modo que afeta toda a dinâmica familiar. Os pais encontram formas de lidar com essa situação, a fim de manterem a saúde mental.
Palavras-chave: família; ninho vazio; psicologia.


When Children Leave Home and the “Nest” Is Empty: The Vision Of the Couple On the Phenomenon Empty Nest

Abstract


The changes that occur with children leaving the parental home are significant and can affect the mental health of both. This study aimed to understand how the output of child (children) in the family context from the perspective of parents. We conducted a qualitative study which involved ten couples of middle class in a city in Rio Grande do Sul, who were suffering from “Empty Nest.” As data collection was used semiestructured interview. The results showed that children leaving the parental home can be difficult, so that affects the entire family dynamics. Parents find ways to deal with this situation in order to maintain mental health.
Keywords: family; empty nest; developmental psychology.

Naiana D. Patias, Michelle I. Fontinel, Fernanda P. Jaeger

Resumo

O incesto constitui-se em uma prática criminosa em nosso contexto social. Ainda assim, pesquisas revelam que a maior parte do abuso sexual contra crianças e adolescentes ocorre no âmbito doméstico, perpetrada por familiares, configurando-se como prática incestuosa. Protegido pelo segredo familiar, o incesto apresenta-se como uma prática sexual de difícil reconhecimento, sendo comum que a denúncia demore a ocorrer ou, em alguns casos, nem aconteça. Algumas características das famílias incestuosas também contribuem para a ocorrência do abuso e para sua manutenção. A partir de uma revisão assistemática da literatura, com base em livros e artigos científicos nacionais e internacionais, elaborou-se o presente artigo teórico, com o objetivo de descrever as características de famílias incestuosas. São apresentadas as características dos abusadores, das vítimas, dos progenitores não abusivos e das relações nas famílias incestuosas. Ao final, propõe-se uma reflexão sobre a possibilidade de revelação e denúncia.
Palavras-chave: incesto; família incestuosa; abuso sexual infantil; denúncia.


The Incestuous Family: From Silence to the Possibility of Revelation

Abstract


Incest constitutes in a criminal practice in our social context. Still, polls reveal that the majority of the sexual abuse against children and adolescents occurs at home, perpetrated by family members, configuring it as incestuous practice. Protected by family secrecy, incest is presented as a sexual practice difficult to recognize, being common that the complaint delay to occur, or in some cases, not even happens. Some characteristics of incestuous families also contribute to the occurrence of abuse and for its maintenance. From an unsystematic review of literature on the basis of national and international scientific books and articles, we elaborated this theoretical paper, in order to describe the characteristics of incestuous families. It is presented the characteristics of abusers, victims, the non-abusive progenitors and the relationships of incestuous families. In the end, it proposes a reflection on the possibility of revelation and denunciation.
Keywords: incest; incestuous family; child sexual abuse; denunciation.

Nádia B. da Silva, Denise Falcke

Resumo

O formato de atendimento a famílias e casais em coterapia é uma prática bastante difundida entre as abordagens de atendimento familiar sistêmico. Este artigo propõe uma reflexão sobre como a relação entre os terapeutas de campo foi se construindo no contexto de um atendimento de família. Para isso, fragmentos do atendimento foram utilizados como disparadores para essa reflexão, cujo processo de construção evidenciou a identificação, a nomeação e a apropriação dos sentimentos e recursos dos terapeutas.
Palavras-chave: coterapia; terapia familiar; pós-modernismo.


The Formation of the Relationship of a Pair of Therapists in Attendance a Family

Abstract


The format of attendance to families and couples in co-therapy is a practice that has been widely disseminated within the approaches of systemic family attendance. This article puts forward a reflection on how the relationship between the field therapists has been built in the context of family attendance. For this end, fragments of attendance provided have been utilised for this reflection, where the formation process has shown the identification, designation and appropriation of the feelings and resources of the therapists.
Keywords: co-therapy; family therapy; post-modernism.

Ricardo Woisky, Bárbara F. de Vitta

Resumo

No processo terapêutico com famílias, para que haja um bom ajuste com vistas à mudança da disfuncionalidade familiar, faz-se necessário pensar em um sistema mais complexo, considerando não apenas um, mas dois ciclos de vida, o da família e o do terapeuta. Portanto, o objetivo deste trabalho consiste em refletir sobre o ciclo de vida familiar e sua relação com o ciclo de vida do terapeuta, a partir de uma análise fundamentada na teoria sistêmica. Destaca-se que o sistema terapêutico, para além da teoria e da prática, também pressupõe as experiências de vida do terapeuta e as vivências de sua terapia individual e de supervisão clínica, o que implica dizer que terapeutas podem sentir diversamente cada um de seus pacientes, assim como estes podem se relacionar de diferentes modos com seus terapeutas.
Palavras-chave: ciclo de vida familiar; terapeuta; teoria sistêmica.


Family and Therapist Life Cycle: Implications for Systemic Family Therapy

Abstract


In the family therapeutic process, to treat family´s dysfunctionality, it´s necessary think a more complex system, considering two life cycles and not just one, the family´s and therapist´s cycle. Therefore, the aim of this paper is focus the family life cycle and its relationship with the therapist life cycle, from systems´ theory analysis. Thus, the therapeutic system, beyond the theory and practice, also assumes the therapist’s life experiences, their individual therapy and clinic supervision, which implies that therapists may feel differently each of his patients, as well as these can relate in different ways with yours therapists.
Keywords: family life cycle; therapist; systems theory.

Ângela Marin, Débora S. de Oliveira

Resumo

A família em sua relação contínua cria padrões e organizações singulares. Por meio de suas trocas afetivas e intercâmbios comunicativos, tece singularmente seu envoltório com uma rede complexa que conecta todos os seus membros, produzindo elos de ligação. Essas conexões uma vez estabelecidas estão presentes entre os sujeitos, nos sujeitos e, se considerarmos seus ascendentes, transcendem aos sujeitos, ou seja, as formas de relação tem sua constituição antes dos mesmos surgirem, e, alguns dos produtos dessas relações podem ser passíveis de modificação e outros resistentes a ela. Nesse sentido, o presente artigo pretende demonstrar como as transmissões geracionais são processadas ou não pelo aparelho psíquico, bem como os meios que a família dispõe para operar no mesmo. Para tanto, utilizou-se uma revisão bibliográfica da abordagem psicanalítica e sistêmica, respectivamente. O estudo permitiu identificar a universalidade da transmissão, diferenciando-se em seu grau de intensidade em proporcionar ou prejudicar o desenvolvimento de seus membros.
Palavras-chave: Transmissão geracional, relações familiares, desenvolvimento.


The Repercussion of Generational Transmission in the Subject Constitution

Abstract


A family creates unique patterns and organizations in its continuous relationship. By means of its affective exchanges and communicative interchanges, it weaves uniquely its cover with a complex net which connects all its members, by producing connecting links. After being established, these links are present among the subjects, in the subjects and, if we consider their ancestors, they transcend the subjects, i.e., the ways of relationship have their constitution before they arise, and, some products of these relationships may undergo changes, and others may be resistant to it. In this sense, one intends with this article to show how the generational transmissions are or are not processed by the psychic tract as well as the means that the family has to operate on it. Therefore, one has utilized a bibliographical revision of the psychoanalytical and systemic approach, respectively. The study enabled the identification of the universality of the transmission, differentiating itself in its degree in providing or damaging the development of its members.
Keywords: Generational transmission, family relationships, development.

Tatiana Both, Helena Centeno Hintz

Resumo

Esse relato de experiência profissional é referente ao estágio profissionalizante em psicologia social comunitária efetuado na Defensoria Pública da Comarca de Santo Ângelo (RS), através do Núcleo de Psicologia Social Comunitária da Universidade. A prática consiste em mediações familiares durante março a dezembro de 2009. Foram atendidos 21 casos, todos em co-mediação. Na maioria dos casos a demanda inicial foi a dissolução da união, pois o casal não encontrava alternativa para resolver seus problemas. Assim, a mediação, além de facilitar o diálogo, possibilitava a resolução de conflitos, evitando processos judiciais desnecessários e contribuindo para a eliminação de custos para o Estado e celeridade da justiça.
Palavras-chave: mediação; psicologia; casais.


Mediation in the Public Defender: An Experience Report

Abstract


This experience report is referring to the professional internship experience in community social psychology performed in the County Public Defender of Santo Angelo (RS), through the Community Social Psychology Department of the University. The practice consists of family mediations were held during March-December 2009. Twenty-one cases were treated, all in co-mediation. In most cases the demand was the dissolution of marriage because the couples had not found any alternative to solve their problems. Therefore, mediation has facilitated dialogue, made possible the resolution of conflicts, avoiding unnecessary lawsuits, and contributing to the elimination of costs for the State and speed of justice.
Keywords: mediation; psychology; couples.

Rovana K. Bueno, Carla F. R. Leal, Sabrina A. de Souza